header top bar

section content

Governador participa da abertura do Xamegão 2009

O governador José Maranhão participou na noite desta sexta-feira (12) da abertura oficial do Xamegão (tradicional São João de Cajazeiras) que vai até o dia 28 deste mês. Acompanhado de vários secretários, deputados estaduais e federais, do prefeito de Cajazeiras, Léo Abreu, ele subiu ao palanque montado para a apresentação das bandas contratadas para os […]

Por

13/06/2009 às 20h23

O governador José Maranhão participou na noite desta sexta-feira (12) da abertura oficial do Xamegão (tradicional São João de Cajazeiras) que vai até o dia 28 deste mês. Acompanhado de vários secretários, deputados estaduais e federais, do prefeito de Cajazeiras, Léo Abreu, ele subiu ao palanque montado para a apresentação das bandas contratadas para os festejos juninos.

Na primeira noite, cerca de 50 mil pessoas passaram pelo Xamegão. Antes da primeira apresentação, o prefeito deu por aberto os festejos, mas antes o governador falou e disse do prazer de estar presente aquele evento acompanhado do ex-prefeito Antônio Vituriano de Abreu, criador do Xamegão há 20 anos.

Depois da abertura, Maranhão se dirigiu ao camarote oficial da Prefeitura Municipal de Cajazeiras, onde permaneceu por mais de três horas.

Além da ajuda financeira para o festejo daquela cidade do Sertão paraibano, o Governo do Estado ainda está disponibilizando, através do 6° Batalhão, entre 150 a 200 policiais por noite para garantir a segurança dos forrozeiros, além de serviços através da Secretaria da Saúde do Estado e Corpo de Bombeiros.

Fonte: Secom

Tags:

Recomendado para você pelo google

EM SOUSA

Radialista revela que “vítima da mão pesada e dos chutes do prefeito Tyrone” disputará eleições em 2020

VÍDEO

Comandante do Corpo de Bombeiros aponta possíveis causas do incêndio no lixão de Cajazeiras

SAÚDE

VÍDEO: Programa Xeque Mate fala sobre a saúde de Cajazeiras e recebe popular e diretoras do HUJB e HRC

REFORMA AGRÁRIA

VÍDEO: Coordenadora da CPT Sertão afirma que terras são um direito dos camponeses e não do agronegócio