header top bar

section content

E AÍ? Após fenômeno do Pokémon GO, Nordeste já tem aplicativo para ‘Capturar Corno’

Gratuito, Corno GO está disponível para smartphones Android.

Por Luzia de Sousa

11/08/2016 às 18h09 • atualizado em 11/08/2016 às 18h24

Aplicativo é gratuito e está disponível para aparelhos Android

Pegando carona no sucesso do aplicativo de realidade aumentada Pokémon GO, dois empresários cearenses desenvolveram o app Corno GO. Mais parecido com a dinâmica do Snapchat, o produto lançado nesta quinta-feira, 11, oferece diferentes filtros em formato de chifres para personalizar fotos. A ideia foi do artista Falcão, que procurou os empresários Alessandro Moreira, de 22 anos, e Pedro Silveira, de 29 anos para realizar a peça.

+ Pokémon Go: Psicóloga revela que crianças podem apresentar aumento da ansiedade; pessoas usam para tratar depressão. Vídeo!

A ideia, conta Alessandro, era brincar com o momento da captura do pokémon. “Há cerca de um mês o Falcão nos procurou falando que queria fazer uma sátira do Pokémon GO com a imagem do corno”, diz. “Estudamos o caso e vimos que era viável. Chegamos a essa primeira versão que publicamos hoje”.

A empresa já trabalha com um plano de atualizações. O próximo passo é remodelar a interface e apresentar um visual mais atrativo. Os amigos têm experiência na área. Eles são sócios da empresa Vitrine Mágica há um ano. “Na Vitrine a gente trabalha ainda mais esse aspecto da realidade aumentada. Colocamos o usuário em um ambiente onde ele se vê com outras roupas e acessórios”. Gratuito, Corno GO está disponível para smartphones Android.

Radar Sertanejo

DIÁRIO ESPORTIVO

VÍDEO: Na TV, dirigentes do Atlético de Cajazeiras explicam contratações fechadas e outras que ‘melaram’

NOVAS CRÍTICAS

VÍDEO: Para líder católico de Cajazeiras, o Nordeste será “um recanto esquecido” por Bolsonaro

CLIMA DE EMOÇÃO

VÍDEO: Amigos e familiares destacam o legado de Dr. Toinho durante velório do advogado em Cajazeiras

ECONOMIA

VÍDEO: Com fila zerada, Bolsa Família injeta quase R$ 2 milhões por mês em Cajazeiras, diz coordenador