header top bar

section content

Morre aos 71 anos a irreverente Elke Maravilha

A notícia foi confirmada através de uma mensagem postada em rede social da artista. ‘Como ela mesma dizia, foi brincar de outra coisa’, diz o texto.

Por Campelo - Diário do Sertão em Sousa

16/08/2016 às 07h00 • atualizado em 16/08/2016 às 07h48

Em 2013, Elke Maravilha revelou, no programa 'De Frente com Gabi', que realizara três abortos

Elke Maravilha morreu aos 71 anos na madrugada desta terça-feira, 16, no Rio. A notícia foi confirmada através de uma mensagem postada no perfil da artista no Facebook. “Avisamos que nossa Elke já não está por aqui conosco. Como ela mesma dizia, foi brincar de outra coisa. Que todos os deuses que ela tanto amava estejam com ela nessa viagem. Eros anikate mahan (O amor é invencível nas batalhas). (Crianças, conviver é o grande barato da vida, aproveitem e convivam)”, diz o texto.

Elke estava internada há quase um mês na Casa de Saúde Pinheiro Machado, no bairro de Laranjeiras, Rio de Janeiro, após uma cirurgia para tratar uma úlcera. De acordo com o irmão de Elke, Frederico Grunnupp, a artista sofreu uma falência múltipla dos órgãos. “Depois da cirurgia para tratar uma úlcera e como ela tinha diabetes, acabou não respondendo à medicação. Ela morreu antes de 1h”, contou Frederico ao EGO antes de afirmar que ainda não sabe onde e quando será o velório e o sepultamento. “Tenho que avisar muitas pessoas. Ainda não tenho data e nem local de nada.”

Frederico falou ainda sobre o carinho que Elke Maravilha tinha pelo Brasil. “O Brasil foi o melhor lugar para ela. Minha irmã tinha muito respeito por todos aqui. O Brasil foi a tábua de salvação dela e da nossa família. O país abraçou a Elke, o povo sempre foi muito generoso com ela”, contou ele.

Antes de ser internada, Elke rodava o país com “Elke canta e conta” – no qual era responsável pelo texto e pela voz. No espetáculo, a atriz falava de passagens de sua vida desde a infância na Rússia, dos casamentos e da vida como modelo e apresentadora.

A vida de Elke
Nascida na Rússia, a modelo e atriz Elke Georgievna Grunnupp, mais conhecida como Elke Maravilha, alcançou fama ao participar como jurada de programas de calouros de Chacrinha e Silvio Santos.

Tornou-se amiga de Zuzu Angel. A história da estilista foi contada nos cinemas em 2006. No longa, Elke foi interpretada pela atriz Luana Piovani e fez uma participação especial. Elke enfrentou a tortura da ditadura e chegou a ficar presa por seis dias. Conseguiu ser libertada por intermédio de Zuzu, que enviou um delegado para tirá-la da prisão.

Aborto e oito casamentos
Em maio, no programa de Raul Gil, no SBT, Elke Maravilha revelou o motivo de não ter sido mãe. A atriz contou que não saberia educar uma criança. “Fiz um aborto pois não saberia educar uma criança. Nunca pensei, só agi. Eu ia fazer um monstro”, declarou. Ela disse ainda que “ser bonzinho” com criança era o pior caminho.

Na ocasião, a atriz relembrou ainda a época em que trabalhou com Chacrinha. “Painho era a melhor pessoa do mundo.

Era um gênio. Era uma pessoa boníssima, libertaria e libertadora. Ele não tinha preconceito com nada”, disse.

Elke falou também sobre seus casamentos. “Fui casada oito vezes. O homem não é uma propriedade minha. Não é uma coisa, é um ser humano”. Sobre arrependimentos, ela brincou: “Deveria ter matado algumas pessoas e não tive coragem”.

EGO

DIÁRIO ESPORTIVO

VÍDEO: Na TV, dirigentes do Atlético de Cajazeiras explicam contratações fechadas e outras que ‘melaram’

NOVAS CRÍTICAS

VÍDEO: Para líder católico de Cajazeiras, o Nordeste será “um recanto esquecido” por Bolsonaro

CLIMA DE EMOÇÃO

VÍDEO: Amigos e familiares destacam o legado de Dr. Toinho durante velório do advogado em Cajazeiras

ECONOMIA

VÍDEO: Com fila zerada, Bolsa Família injeta quase R$ 2 milhões por mês em Cajazeiras, diz coordenador