header top bar

section content

Líder comunitária fala sobre decepções na política de Cajazeiras: “Não comprei votos”

Cida fez um apelo aos políticos e empresários que possam ajudar a Associação Vida e Arte

Por

09/05/2015 às 13h13

Natural de Cajazeiras, Cida Pé no Chão é funcionária pública (Foto: Diário do Sertão)

O Interview dessa quinta-feira (07) recebeu a líder comunitária Maria Aparecida, conhecida em Cajazeiras como “Cida Pé no Chão” que revelou sua mágoa com alguns políticos. Cida que já foi candidata a vereadora disse que se orgulha em ter tirado quase 300 votos sem precisar “comprar” ninguém. “Foram verdadeiros amigos que me deram um voto de confiança”, disse.

Cida revelou que sofreu duas grandes decepções na política, com os ex-vereadores Raimundo Nonato (Raimundinho) e Chico de Bianô. “Parece que o poder sobe a cabeça das pessoas”, disse ele.

Presidente da Associação Vida e Arte no bairro Pio X, Cida se emocionou ao contar que perdeu um irmão, vítima da violência em Cajazeiras, e em seguida perdeu seu pai. “Quase não resisti e entrei em processo de depressão. Meus amigos me ajudaram”, disse.

Cida fez um apelo aos políticos e empresários que possam ajudar a Associação Vida e Arte. “Acompanhe e colabore com nosso trabalho, pois, nossa comunidade agradece”, disse.

Trajetória
Natural de Cajazeiras, Cida Pé no Chão é funcionária pública do município e já foi presidente de Associação dos Sem Terra. Maria Aparecida é mãe de quatro filhos e casada. Ela revelou que a sede da sua associação no Pio X é em sua casa.

Veja entrevista na íntegra!

DIÁRIO DO SERTÃO

Tags:

Recomendado para você pelo google

RELAÇÃO COM EMPRESÁRIOS

VÍDEO: Prefeito de Cajazeiras não descarta fazer uma reforma tributária e manda recado para ‘algozes’

SERVIÇO MILITAR

VÍDEO: Quase 100 novos atiradores são incorporados ao Tiro de Guerra de Cajazeiras durante solenidade

TRIMESTRE CHUVOSO

VÍDEO: Açude Grande de Cajazeiras sangra pela primeira vez em 2019 e traz esperança para a população

ELITISMO?

VÍDEO: Escolas federais têm segurança, mas as outras são ‘destratadas’, afirma diretor em Cajazeiras