header top bar

section content

Jorge Kajuru fala sobre depressão: ‘Minha vida sexual foi lá pra baixo’

A doença atingiu o jornalista após complicações de uma cirurgia grave de diabetes

Por Priscila Belmont

01/11/2017 às 10h01

© Reprodução / TV Esporte Interativo

O jornalista esportivo Jorge Kajuru, que trabalhou em canais como Band, RedeTV!, ESPN, Esporte Interativo e SBT, abriu o jogo sobre a depressão que ele enfrentou em 2009 e que quase custou a sua vida. Em entrevista ao UOL, Kajuru lembrou que a doença veio após ele passar por uma cirurgia para tratar de um grave diabetes, e ter complicações por conta do procedimento.

“Foi a bactéria junto com a cirurgia. Por que depois da cirurgia eu emagreci demais, né? Eu cheguei a pesar 62 kg e fiquei cadavérico. Eu tinha chegado a pesar 128 quilos. Já imaginou pesar 62kg? Eu tinha dificuldade para andar, uma fraqueza muito grande no corpo… A minha vida sexual foi lá pra baixo. Tinha dificuldade. Por que é questão física, né?”, contou ele, que ficou famoso na televisão por conta do seu jeito autêntico e explosivo.

“Eu não queria viver mais. O meu problema de viver não era por causa de mulher, não era por causa da minha doença. Era porque eu estava magro, porque eu estava debilitado, porque eu tinha acabado de perder a visão. Então eu estava mal demais, sem olho”, acrescenta.

Kajuru, que hoje está com 56 anos, usa uma prótese ocular no olho esquerdo, o qual ele perdeu a visão completa, e no direito só enxerga 10%. O jornalista, que cobriu nove Copas do Mundo e oito Olimpíadas, atualmente é vereador em Goiânia.

Notícias ao Minuto

Recomendado para você pelo google

COBRA REAJUSTE DE 2018

VÍDEO: Sindicalista elogia Zé Aldemir por salário de professores, mas diz que felicidade é ‘entre aspas’

ANALISAR MELHOR FORMA

Presidente da OAB Nacional diz que irá discutir modelo legal para a questão do armamento no Brasil

PARTICIPE!

Retiro de Carnaval de Pombal recebe adesão de fiéis para a execução do maior evento religioso da cidade

SANTA MARIA

VÍDEO: Faculdade de Cajazeiras é contraponto a injustiças sociais e falta de ‘gentilezas’, diz diretora