header top bar

section content

Em Sousa: crianças de comunidade aprendem capoeira e psicóloga fala sobre a importância do esporte

O CRAS I conta a atuação importante da psicologia que garante apoio às famílias e as pessoas que são cadastradas no programa

Por

15/04/2015 às 08h50

Crianças participam das atividades de capoeira no CRAS I em Sousa (Foto: Charley Garrido)

O Centro de Referência de Assistência Social – CRAS I de Sousa é destaque nas atividades para as famílias carentes do bairro Mutirão. A capoeira é desenvolvida pelo professor Lindomar Dantas, mais conhecido como “Mestre Socó”, e tem como público alvo as crianças e adolescentes.

Embalados pelo som das cantigas de capoeira ritmadas pelo berimbau e pandeiro, crianças do referido bairro encontram alegria e o amor pelo esporte. E aos poucos eles vão desenvolvendo os movimentos de pernas, o gingado do corpo e as acrobacias.

 ?

“A maior importância em ensinar a capoeira, é traze-los para uma condição socioeducativa de acesso a cultura, a saúde e desenvolvimento do corpo”, disse o mestre de capoeira Lindomar Dantas.

Psicologia
O CRAS I conta a atuação importante da psicologia que garante apoio às famílias e as pessoas que são cadastradas no programa social.

 

“O esporte é muito importante para essas crianças. Depois da avaliação teórica, educativa, elas são encaminhadas para as atividades esportivas. Muitas crianças que se encontram na miséria, recebem tratamento especial da psicologia”, disse Hilana Cristina Lins, psicóloga do CRAS I.

Assista a reportagem da TV Diário do Sertão


 

DIÁRIO DO SERTÃO

Tags:

Recomendado para você pelo google

PROBLEMA SOCIAL

VÍDEO: Conselho Tutelar notifica pais por causa de crianças pedindo nos semáforos de Cajazeiras

OPÇÃO RELIGIOSA

VÍDEO: Retiro de Carnaval de Pombal anuncia programação da 35° edição com atrações a nível nacional

CAMPEONATO PARAIBANO

VÍDEO: Wesley, Éder Paulista e o técnico Ederson Araújo aprovam estreia do Atlético e elogiam a torcida

FALTA DE COMODIDADE

Professora cobra fiscalização na ocupação de calçadas por comerciantes que interfere a mobilidade urbana