header top bar

section content

VEJA FOTOS: As bonecas que dão medo: a história por trás da tragédia nuclear de Chernobyl

Elas estão lá por um motivo. Na verdade, por mais de um...

Por Isabela Otto

07/07/2019 às 09h57

Boneca atingida na tragédia nuclear de Chernobyl em 1986

Você já teve medo de alguma boneca? Achou que ela sairia andando enquanto você dormia? Não sentiu boas vibrações vindas dela? Saiba que isso é mais comum do que você imagina. Existe todo um mau agouro relacionado a bonecas. No México, por exemplo, tem até uma ilha cheia de colecionáveis bastante assustadoras. Mas há também quem diga que as bonecas, na verdade, são responsáveis por afastar espíritos ruins e funcionam como uma espécie de escudo. Independentemente da sua crença, as bonecas abandonadas de Chernobyl estão entre os itens que mais causam arrepios nos que se aventuram em conhecer os destroços do maior acidente nuclear da história.

No dia 26 de abril de 1986, o 4º reator da Usina Nuclear de Chernobyl, localizada na cidade de Pripyat, na Ucrânia, estourou durante um teste de segurança. O núcleo foi afetado e 31 pessoas morreram por causa da explosão, incluindo bombeiros que tentavam apagar o fogo. Milhares de pessoas foram afetadas pela radiação, que contaminou alimentos, o solo, a água e as próprias pessoas, que desenvolveram câncer devido à exposição ao césio-137 e ao iodo-131. Fala-se num total de 200 mil vítimas, muitas delas menores de idade e bebês.

Conhecidas como “as crianças de Chernobyl”, as que não morreram perderam todos os pelos do corpo, desenvolveram câncer e leucemia, sentiram (e, as que sobreviveram, ainda sentem) dores terríveis no corpo e tiveram algum tipo de retardo de crescimento e mental. De 1990 a 2011, Cuba recebeu mais de 16 mil pacientes que vieram da Ucrânia, Rússia e Bielorrússia para se tratarem da radiação. 84% desse total era formado por crianças. Hoje, muitas delas tentam a vida em outros lugares, como Portugal, longe da radiação que ainda é emanada pelo local onde a usina explodiu.

Pripyat era um lugar com muitas crianças e, consequentemente, muitas creches e jardins de infância. É por isso que há dezenas de bonecas espalhadas pela cidade, muitas localizadas em lugares estratégicos, como camas de hospitais.

Segundo a lenda, muitas dessas bonecas foram deixadas pelas próprias crianças de Chernobyl, que precisaram fugir às pressas de onde estavam, deixando suas fiéis companheiras para trás. Não dá para deixar de perceber que algumas, entretanto, estão posicionadas de maneiras até bastante poéticas. Suponha-se que essas tenham sido ajeitadas pelos próprios agentes de turismo da região e que alguns visitantes tenham deixado outras, em homenagem às vítimas da tragédia.

As bonecas de Chernobyl são significativas porque lembram algumas das principais vítimas do maior desastre nuclear da história da humanidade. Não é simplesmente algo assustador, que deixa o clima do local ainda mais pesado. É claro que tem o lado turístico das colecionáveis sem olhos, queimadas e com membros faltando, mas é mais representativo que isso. Como diz Angèle Mosser, integrante da associação francesa Les Enfants de Tchernobyl, “além dos problemas de saúde, precisamos lidar também com o preconceito que essas crianças sofrem“. Hoje, no mundo, como em Cuba e em Portugal, crianças ainda são tratadas, e acredita-se que cerca de 9 milhões de pessoas ainda morem em áreas contaminadas.

VEJA AS FOTOS:

Fonte: Isabela Otto - https://capricho.abril.com.br/vida-real/as-bonecas-de-chernobyl-a-historia-por-tras-de-algo-que-nao-e-so-ruina/

Recomendado para você pelo google

FICOU PRESO ÀS FERRAGENS

PRF conta detalhes do acidente que vitimou vendedor da Região de Cajazeiras e deixou mulher ferida

VÍDEO

Aliado do governador bate de frente com presidente da CDL e garante funcionamento do IPC em Cajazeiras

NOVOS RUMOS

VÍDEO: Em Patos, assembleia da Paraíba debate sustentabilidade e desenvolvimento regional no Sertão

SUCESSO

VÍDEO: Mensagem Empresarial mostra história de um dos maiores empresários e empreendedores de Cajazeiras