header top bar

section content

Intensidade de terremoto sentido na Paraíba foi maior que o divulgado

O abalo sísmico que agitou o Rio Grande do Norte e teve reflexos em mais três estados do Nordeste – Ceará, Pernambuco e Paraíba, foi maior do o que divulgado no dia do fenômeno, ocorrido na segunda-feira, por volta das 12h52 (horário de Natal). De acordo com sismólogos da Universidade Federal do Rio Grande do […]

Por

13/01/2010 às 19h46

/O abalo sísmico que agitou o Rio Grande do Norte e teve reflexos em mais três estados do Nordeste – Ceará, Pernambuco e Paraíba, foi maior do o que divulgado no dia do fenômeno, ocorrido na segunda-feira, por volta das 12h52 (horário de Natal).

De acordo com sismólogos da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, o tremor foi de 4,2 graus na escala Richter. O número foi corrigido, após análises feitas pelos técnicos, pois no dia chegou a ser divulgado que seria de 3,8 graus na escala Richter.

Estragos
O epicentro do tremor ocorreu entre as cidades de Taipu e Poço Branco. Os maiores estragos foram registrados justamente nestas duas cidades, pois as casas tiveram suas estruturas prejudicadas, com várias rachaduras. Em outras, o reboco caiu, e em Recife, pelo menos cinco prédios foram evacuados, mas segundo a defesa civil do estado, sem maiores danos.

Nesta quarta-feira, dia 13, os sismólogos da UFRN irão instalar mais dois equipamentos na região onde desde sábado acontecem os tremores. Um foi colocado no distrito de Curral Velho, e o outro ainda está sendo definido. Os sismólogos não descartam que novos abalos venham a ocorrer nos próximos dias.

Da Redação do Diário do Sertão
Com Cofemac

Tags:
MUITO ESTRAGO

VÍDEOS: Chuva com vendaval causa destruição de prédios em Cajazeiras e Sousa e assusta moradores

DE 22 A 27 DE JANEIRO

VÍDEO: Teatro Ica completa 34 anos em Cajazeiras com extensa e diversificada programação cultural

DE 2017 PARA ESTE ANO

VÍDEO: São José de Piranhas tem aumento alarmante de homicídios em 2018; confira balanço da PM na região

VIXE!

VÍDEO: Vidente detalha futuro da imprensa de Cajazeiras e prevê mortes: “Não chega às festas juninas”