header top bar

section content

MALDADE: Radialista tem mãos, pés e boca colados ao ser sequestrada na Paraíba

Ao chegar no local, os homens teriam dito a mulher que iriam colar a boca dela para não mais entregá-los à polícia.

Por Luzia de Sousa

19/04/2016 às 16h08

Radialista teve a boca colada para não denunciar acusados

Uma radialista de 31 anos foi encontrada na noite da segunda-feira (18) com a boca, pés e mãos coladas na Zona Rural da cidade de Sumé, no Cariri paraibano. Segundo as primeiras informações da Polícia Militar, a mulher teria sido sequestrada por dois homens e levada para uma fazenda no município.

Conforme o relato da vítima à PM, a radialista estava pilotando uma motocicleta quando foi abordada pelos suspeitos em outra moto. Um deles subiu na garupa do veículo da mulher e mandou ela seguir para uma fazenda próximo a um sítio chamado Várzea Redonda.

Ao chegar no local, os homens teriam dito a mulher que iriam colar a boca dela para não mais entregá-los à polícia. De acordo com a Polícia Militar, os homens usaram uma cola instantânea na boca, nos pés e nas mãos da vítima. Depois disso, eles a abandonaram. A PM fez buscas, mas até as 6h20 desta terça-feira (19) nenhum suspeito foi localizado.

A radialista foi achada por policiais e levada para o Hospital e Maternidade Alice de Almeida, que fica em Sumé. A mulher revelou que reconheceu um dos homens. Ele teria tentado assaltar a casa dela na noite do domingo (17). A unidade de saúde informou que a vítima recebeu atendimentos e, após três horas, foi liberada e passa bem. As informações são do G1.

Créditos: Paraíba Já

NA TELA DA TV DIÁRIO

Diário Esportivo traz tudo sobre a 2ª rodada do Paraibano; Tático narra gol da vitória do Atlético

SE CUIDE!

VÍDEO: No Janeiro Branco, Diversidade em Foco promove uma ‘Conversa sobre suicídio e como evitá-lo?’

RECONHECIMENTO

Prefeito de Sousa garante ajuda mensal ao médico cubano: “Eu irei ajudá-lo em todos os momentos”

"MERECIA MAIS"

VÍDEO: Comentarista critica falta de prestígio de Sousa com o Governo do Estado nas nomeações de cargos