header top bar

section content

Operação desarticula esquema de venda de celulares no PB1 no valor de R$ 15 mil

Estão sendo autuados em flagrante cinco pessoas, entre agentes penitenciários e populares. Os carregadores desses aparelhos eram vendidos por R$ 5 mil.

Por Luzia de Sousa

19/09/2018 às 14h47 • atualizado em 19/09/2018 às 14h50

Operação desarticula esquema de venda de celulares no PB1

O Grupo de Atuação Especial contra o Crime Organizado do Ministério Público Estado da Paraíba (Gaeco/MPP), a Delegacia Especializada no Combate ao Crime Organizado (Deccor) e a Gerência de Inteligência e Segurança Orgânica da Secretaria de Administração Penitenciária (Gisop/Seap) desencadearam, na manhã desta quarta-feira (19), a Operação ‘Black Friday’, para reprimir a comercialização de aparelhos celulares feita por uma organização criminosa composta por agentes penitenciários e populares, no PB1, o presídio de segurança máxima ‘Dr. Romeu Gonçalves de Abrantes’, localizado em João Pessoa. Uma coletiva de imprensa será realizada às 15h na Seap.

+ Fuga de detentos de presídio da PB é destaque no Jornal Nacional; agentes correram com medo de morrer

Estão sendo autuados em flagrante cinco pessoas, entre agentes penitenciários e populares. Os crimes sobre os quais pesam indícios sobre os investigados são: corrupção ativa e passiva (artigos 317 e 333 do Código Penal), lavagem ou ocultação de ativos financeiros (artigo 1° da Lei 9.613/1998) e participação em organização criminosa (artigo 2° da Lei 12.850/2013).

A operação ‘Black Friday’ é uma ação controlada (medida especial de investigação) realizada para coletar provas que demonstraram que os aparelhos celulares eram comercializados por diversos agentes penitenciários aos presos, no valor de R$ 15 mil. Já os carregadores desses aparelhos eram vendidos por R$ 5 mil.

De acordo com o Gaeco, é de domínio público que a entrada de celulares e similares nos estabelecimentos penais é um dos mais graves e complexos problemas que desafiam a Administração Penitenciaria e o sistema de Justiça, porque são utilizados como instrumentos eficazes de orientação e coordenação de práticas ilícitas pelas organizações criminosas que atuam dentro e fora dos presídios. “Esses aparelhos adquiriram, ao longo dos anos, status de armas poderosas nas mãos de criminosos, inclusive o presente esforço busca aclarar se tais celulares comercializados foram utilizados no planejamento do resgate de presos ocorridos no dia 9 de setembro último”, afirma o órgão ministerial.

O detento Livaci Muniz da Silva, conhecido como ‘Galeguinho’, também foi transferido para o presídio de Porto Velho, em Rondônia. Ele é um dos quatro presos que teriam motivado a ação de resgate no PB1, no último dia 9 de setembro.

PORTAL DIÁRIO com informações do MP

TOTALMENTE RENOVADO

VÍDEO: Com mais elegância e tecnologia, novo carro da Wolkswagen é lançado com festa em Cajazeiras

ENTREVISTA

VÍDEO: João Azevêdo garante que tem planos para fortalecer produção de leite e área da saúde em Pombal

ALÍVIO

VÍDEO: Para vice-presidente do SINDIÁGUA, eleição de João Azevêdo afasta risco de privatização da Cagepa

FASE DE 'ÓCIO'

VÍDEO: Aposentado, jornalista da PB cita ex-colegas da imprensa que ele admira e diz se pretende voltar