header top bar

section content

Na briga por S. J. de Piranhas, juíza decide a favor de Neto Lacerda

Agora o prefeito de São José de Piranhas é Neto Lacerda. A decisão é da juiza Dayse Maria Pinheiro Mota, substituta da 40ª Zona Eleitoral. Ela manteve Lacerda no cargo mesmo após a decisão da Câmara Municipal de empossar o vice-prefeito João Batista Cavalcante. A decisão da Câmara, comandada pelo vereador Ciraldo, de dar a […]

Por

26/02/2008 às 11h09

Agora o prefeito de São José de Piranhas é Neto Lacerda. A decisão é da juiza Dayse Maria Pinheiro Mota, substituta da 40ª Zona Eleitoral. Ela manteve Lacerda no cargo mesmo após a decisão da Câmara Municipal de empossar o vice-prefeito João Batista Cavalcante.

A decisão da Câmara, comandada pelo vereador Ciraldo, de dar a prefeitura a João Batista, foi baseada na existência de um processo na Justiça Federal que caçava os direitos políticos de Neto Lacerda.

Mas isso não foi suficiente para impedir que a juíza decidisse a favor do prefeito. Neto Lacerda tomou posse na quinta-feira (21), após decisão do TSE de manter a cassação do prefeito José Ferreira de Carvalho (Zezé de Né Gomes) e seu vice Paulo Lucena por captação ilícita de votos.

João Batista, por sua vez, já vem buscando na Justiça através de seu advogado uma forma de assumir o destino de São José de Piranhas. Da mesma forma, o terceiro colocado nas eleições, Wagner Pemba, que obteve 963 votos, também acionou seu advogado já que acredita ser seu o direito de administrar a cidade.

Da redação do Diário do Sertão com informações do Blog Hermes de Luna

Tags:
OS CIRENEUS DO CAMINHO

VÍDEO: Programa Mensagem de Esperança reflete sobre imunização espiritual e como lidar com adversários

'MENSAGEM DE FÉ'

VÍDEO: Padre apresenta programa especial na TV sobre a tradicional Festa de Dom Bosco em Cajazeiras

'OPINIÃO DO CIDADÃO'

VÍDEO: Em Cajazeiras, presidente da OAB-PB diz ser contra posse de arma: “Índices de mortes aumentam”

PROPRIEDADES EMBARGADAS

VÍDEO: Impedidos de plantar, agricultores de Cajazeiras acusam IBAMA de excessos na aplicação de multas