header top bar

section content

Jeová Campos diz que privatização da ECT é mais um capítulo triste de maldades do Governo Federal

"A ECT é um patrimônio do povo brasileiro e sua privatização trará um prejuízo irreparável aos trabalhadores e ao país", disse o deputado.

Por Portal Diário com Assessoria

23/04/2021 às 13h44

Imagem ilustrativa.

A Câmara dos Deputados aprovou na última terça-feira (20), por 280 votos a 165, o regime de urgência para o Projeto de Lei 591/21, que autoriza a exploração dos serviços postais pela iniciativa privada, inclusive os prestados hoje em regime de monopólio pela Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT). A proposta é considerada, por muitos parlamentares, como o ponta pé inicial para a privatização dos Correios, embora não trate sobre a venda da estatal.

Para o deputado estadual paraibano, Jeová Campos (PSB), a privatização irá prejudicar, sobretudo, a população de municípios menores, onde a logística dos serviços não alcança a população, também onerará os serviços e precarizará a situação dos servidores. “Esse é mais um capítulo triste de um pacote de maldades deste governo que está entregando de bandeja o patrimônio nacional ao mercado e ao capital especulativo e colocando em situação complicada os servidores e a própria soberania nacional” destacou o deputado estadual paraibano, Jeová Campos, lembrando que os Correios deram lucro de R$ 930 milhões em 2019, e de R$ 1,5 bilhão no ano passado, algo que não justifica a privatização do serviço.

VEJA TAMBÉM

Equipamentos para teste do pezinho ampliado na PB serão instalados no final de abril, diz Jeová Campos

Deputado Jeová Campos

“Se há falhas no serviço, vamos melhorar. Mas, daí a privatizar a ECT que além de desenvolver um serviço essencial para a população a custos acessíveis, e ainda é uma empresa lucrativa para a União, existe uma lacuna muito grande. Não há justificativa para tal atitude”, reforça o parlamentar paraibano, lembrando que a ECT, que é 100% pública, tem em seus quadros, atualmente, 105 mil servidores. O regime de urgência permite acelerar a análise do texto, mas ainda não foi definida a data de votação do mérito do projeto. Pela proposta, de autoria do Poder Executivo, a União manterá para si os serviços mais básicos, como encomendas simples, cartas e telegramas (o chamado “serviço postal universal”).

Além dos Correios, outras estatais foram incluídas neste pacote de privatizações, a exemplo da Casa da Moeda, que imprime o dinheiro brasileiro, a Telebras, que tem a missão de fornecer bens e serviços de tecnologias de informação e comunicação no país, a Eletrobras, líder em geração e transmissão de energia elétrica no Brasil, além do Serpro e a Dataprev, ambos que atuam com processamento de dados e são as maiores fornecedoras de tecnologia da informação do poder público.

Na lista também aparecem outras empresas a serem privatizadas como a Codesp e a Codesa, que administram portos nos Estados de São Paulo e Espírito Santo, entre eles o Porto de Santos, o maior do hemisfério Sul, a Ceitec, que produz microeletrônicos, Trensurb e CBTU, responsáveis por metrôs e trens urbanos de seis capitais de Estados brasileiros. O plano abarca Ceagesp e Ceasaminas, responsáveis pelo abastecimento de mercados de produtos agrícolas de São Paulo e Minas Gerais, e ainda a Emgea, que gere os ativos da União, a ABGF, que atua na área de seguros.

PORTAL DIÁRIO

COMPLICADO

VÍDEO: Vereador afirma que é difícil encontrar o prefeito de Itaporanga na cidade e faz denuncias

COMPLICADO

VÍDEO: Prefeito de cidade da região de Patos desconhece dados da pandemia da Covid-19 e sobre vacinação

LUTO

VÍDEO: Tio de Jeová, ex-vice-prefeito de Cachoeira morre aos 80 anos; políticos prestam homenagens

SITUAÇÃO DIFÍCIL

VÍDEO: Estudantes de Cajazeiras protestam após gestão de Zé Aldemir multar professor em R$ 5 mil e ameaçar aluna de prisão

Recomendado pelo Google:
error: Alerta: Conteudo Protegido !!