header top bar

section content

Açúcar torna os tumores cancerígenos mais agressivos, aponta estudo

Um grupo de pesquisadores descobriu que o açúcar ‘desperta’ as células cancerígenas

Por Campelo - Diário do Sertão em Sousa

17/10/2017 às 08h28

Os mitos e verdades do açúcar e o coração

Depois de nove anos de pesquisa, os cientistas da instituições belgas Vlaams Instituut voor Biotechnologie (VIB), Katholieke Universiteit Leuven (KU Leuven) e Vrije Universiteit Brussel (VUB) conseguiram esclarecer como o efeito de Warburg – um fenômeno em que as células cancerígenas quebram rapidamente os açúcares – estimula o crescimento e a agressividade tumorais.

Apesar de a ligação entre o consumo de açúcar e o câncer já ter sido muito estudada, até agora não ficou claro se este fenômeno é um sintoma ou uma causa do câncer. Este novo estudo, publicado na revista científica Nature Communications, traz novas provas da correlação positiva entre o açúcar e a potência oncogênica nas células cancerígenas. Isto pode trazer bases para novos estudos e ter um grande impacto nas dietas personalizadas para os doentes com câncer, segundo esperam os cientistas.

“A nossa pesquisa revela como o consumo de açúcar hiperativo de células cancerosas leva a um círculo vicioso de estimulação contínua do desenvolvimento e crescimento do câncer. Portanto, é capaz de explicar a correlação entre a força do efeito de Warburg e a agressividade do tumor. Esta ligação entre o açúcar e o câncer tem consequências radicais”, afirma o professor Johan Thevelein, segundo o site Independent.

Notícias ao Minuto

Tags:

Recomendado para você pelo google

ESPECIAL DE PÁSCOA

VÍDEO: TVDS exibe programa ‘Mensagem de Fé com Frei João Batista’ em especial de Semana Santa

FÉ E DEVOÇÃO

Sexta-feira Santa em Cajazeiras é marcada por várias celebrações religiosas e grande número de fiéis

SAÚDE

VÍDEO: Xeque Mate fala sobre a obesidade e médica endocrinologista tira dúvidas sobre a doença; Veja!

SEMANA SANTA PARA OS EVANGÉLICOS

VÍDEO: Pastor fala sobre significado da Páscoa para os protestantes: “É o sacrifício e a libertação”