header top bar

section content

FORTE: Mãe da criança vítima de apendicite em Cajazeiras se emociona em programa ao vivo e revela sofrimento da criança até a morte; Menina pediu para chamar um padre

A mulher já procurou o Ministério Público e denunciou o hospital e a médica por negligência; "Levaram tudo de mim"

Por Luzia de Sousa

01/04/2016 às 19h23 • atualizado em 01/04/2016 às 20h48

A funcionária pública, Maria Jusinere (Nerinha), mãe da cajazeirense Maria Gabrielle, de 8 anos, que morreu durante o final de semana, em Patos, vítima de apendicite participou nesta sexta-feira (1), do programa Olho Vivo da TV Diário do Sertão e contou que a criança deu entrada no Hospital Universitário Júlio Bandeira (HUJB), quatro vezes. A menina era filha única.

Gabrielle com o tio em Cajazeiras

Gabrielle com o tio na cidade de Cajazeiras

Com um brinquedo da criança nos braços, a mãe explicou que no dia 14 de março a pequena Gabrielle apresentava um quadro de febre, vômito e dores abdominais, mas a medicação foi dipirona e buscopan, e em seguida foi liberada. No dia seguinte, a mulher disse que a criança não apresentava melhora e retornou ao hospital, onde foi atendida por uma médica, realizou exames e foi constatada uma bactéria, mas a menina foi novamente encaminhada de volta para casa.

“A médica muito arrogante disse que quem sabia das coisas era ela. Dra. a senhora poderia ter salvado a minha filha naquele momento”. Declarou a mãe emocionada.

No dia 26, Sem acreditar mais no HUJB, a mulher disse que foi procurar o Hospital Regional de Cajazeiras, mas teve que retornar para o hospital infantil, desta vez com a ajuda dos profissionais do HRC. “Já era grave demais. Minha filha não tinha mais chance”, lamentou a mãe informando que o médico de posse do exame detectou apendicite.

Após o diagnóstico, a menina retornou ao HRC, mas não pode ser cirurgiada porque estava com alto grau de infecção e não tem UTI neonatal. Gabrielle foi transferida para a cidade de Patos, onde passaria por cirurgia, pois a apendicite estava estrangulada, mas demorou porque a criança ainda não tinha nenhum exame de imagem.

“Minha bebzinha. Só tinha ela. Eles me destruíram. Perguntei quanto eles queriam pra salvar a minha filha”. Revelou a mãe chorando.

Gabrielle foi batizada antes de sair do HRC

Gabrielle foi batizada antes de sair do HRC

Ela disse que somente no dia seguinte é que a criança foi chamada para a cirurgia, mas não resistiu e faleceu. A funcionária pública informou que desde a partida de Gabrielle que está sob efeito de medicamento e passa por acompanhamento do psicólogo.

Nerinha informou que deu entrada no Ministério Público questionando o hospital pelo atendimento e pela negligência da médica.”Quero Justiça. Não quero que nenhum pai ou uma mãe passe pelo que eu estou passando”.

Pedido
Antes de ser transferida para a cidade de Patos, Gabrielle teria pedido a mãe para chamar um padre para que ela fosse batizada. A menina recebeu o batismo no hospital de Cajazeiras, onde já apresentava um quadro debilitado.

O outro lado
A diretora do HUJB, Mônica Paulino disse que é de interesse do hospital averiguar o que ocorreu, mas disse que estava havendo uma difamação por parte da imprensa com o hospital.

Monica Paulino informou que a menina deu várias entradas no hospital, mas apresentava quadro de cansaço.

Segundo a diretora, a menina foi diagnosticada com um quadro de infecção e foi tratada. “Quando há suspeita de apendicite encaminhamos para a avaliação do cirurgião no HRC”, adiantando que nas primeiras entradas Gabriele não apresentava quadro de apendicite.

DIÁRIO DO SERTÃO

NO ACÚSTICO DIÁRIO

VÍDEO: Músico que foi atingido por um tiro em São José de Piranhas se emociona ao relatar o fato

NESTE FIM DE SEMANA

VÍDEO: Comerciante africano traz a Cajazeiras feira popular de São Paulo que vende pela metade do preço

DIRETO AO PONTO

Nutricionista sousense fala sobre a hipertensão e ensina receita de sal de ervas

VÍDEO!

Diário esportivo fala sobre os craques da Copa do Mundo e o futebol amador da cidade de Cajazeiras