header top bar

Francisco Cartaxo

section content

A covid-19 abateu seu Luiz

14/03/2021 às 10h32

Coluna de Francisco Cartaxo

Por Francisco Frassales Cartaxo

Seu Luiz soube do suicídio de Getúlio Vargas quando descia do navio, no porto do Recife, no dia 24 de agosto de 1954. Vinha de Coimbra, onde nascera em dezembro de 1926. Jamais poderia imaginar que seria levado pela tragédia mundial da covid-19. Chegou solteiro. Só depois veio Celeste, um amor adolescente também lá da terrinha. Artesão no campo da pintura de azulejos, Francisco Brennand logo o contratou. Brennand foi “a primeira pessoa a valorizar meu trabalho”, diria seu Luiz, décadas mais tarde, acrescentando, “ele vira uma produção em cima de minha mesa e falou”: Isto é obra de artista. Modesto, seu Luiz preferia avocar-se como artesão.

Luiz Domingues dos Santos, artesão ou artista, foi um autodidata. Deixou sua marca em numerosos prédios no Recife e em outras cidades. Fez parceria com o arquiteto Delfim Amorim, também português, numa época em que, ainda, se usava azulejo largamente. Trabalhou com os artistas plásticos Corbiniano Lins e Abelardo da Hora. Ainda hoje, os azulejos decorativos resistem no Edifício Acaiaca, em Boa Viagem, imponente referência arquitetônica. Sua obra artística integra a casa que o saudoso médico sousense Altino Ventura construiu no bairro da Casa Forte.
Seu Luiz atuou a maior parte de sua longa vida como autônomo, gerindo o que ele chamava de oficina, que funcionou em vários endereços no Recife. Nessa condição, trabalhou com inúmeros arquitetos, daqui e de outros estados, como Paraíba, Alagoas e Pará. Em Belém, no Colégio Santa Rosa, ele pintou seu maior painel, medindo 40 metros quadrados. De sua lavra ou de Paulo, único dos três filhos que seguiu o pai, há no cemitério de Cajazeiras lápides decoradas em seu atelier.

Seu Luiz morreu no dia 7 de março, na ala covid-19 de um hospital no Recife. Com mais de 90 anos, o casal idoso recorria aos serviços de cuidadoras profissionais. Assim o vírus se infiltrou dentro de casa, contagiando quase toda sua família: dona Celeste, filhos, noras, netos e netas. Onze pessoas foram contaminadas. Mais da metade, atendidas em hospitais. Algumas na UTI, incluindo seu filho, Carlos Domingues, psicólogo, professor, doutor em Línguas, casado com uma filha de Tantino Cartaxo, Charmenia, que também foi parar no hospital.
Coincidência. Quase na mesma hora em que seu Luiz fechou os olhos pela última vez, Carlos recebia alta e, noutro hospital, seu irmão Paulo era internado. A covid-19 é uma desgraça.

Presidente da Academia Cajazeirense de Artes e Letras – ACAL

Francisco Cartaxo

Francisco Cartaxo

Francisco Sales Cartaxo Rolim foi secretário de planejamento do governo de Ivan Bichara, secretário-adjunto da fazenda de Pernambuco – governo de Miguel Arraes. É escritor, filiado à UBE/PE e membro-fundador da Academia Cajazeirense de Artes e Letras – ACAL. Autor de, entre outros livros, Guerra ao fanatismo: a diocese de Cajazeiras no cerco ao padre Cícero.

Contato: cartaxorolim@gmail.com

PALAVRA DE VIDA

VÍDEO: Pastor de Igreja Evangélica de Cajazeiras fala sobre depressão e ora pela vida das pessoas

DIAS DE LUTA

VÍDEO EXCLUSIVO: Enfermeira fala do desafio de trabalhar na Ala Covid-19 do Hospital de Cajazeiras

DOE VIDA

VÍDEO: Projeto Mais Enilde pede doações de sangue e medula óssea no Sertão paraibano

OBRA DEMORADA

VÍDEO: Obras de terminal rodoviário de Sousa estão paralisadas há mais de dois anos e população reclama

Francisco Cartaxo

Francisco Cartaxo

Francisco Sales Cartaxo Rolim foi secretário de planejamento do governo de Ivan Bichara, secretário-adjunto da fazenda de Pernambuco – governo de Miguel Arraes. É escritor, filiado à UBE/PE e membro-fundador da Academia Cajazeirense de Artes e Letras – ACAL. Autor de, entre outros livros, Guerra ao fanatismo: a diocese de Cajazeiras no cerco ao padre Cícero.

Contato: cartaxorolim@gmail.com

Recomendado pelo Google:
error: Alerta: Conteudo Protegido !!