header top bar

Francisco Cartaxo

section content

A cronista da Ribeira do Rio do Peixe

03/08/2021 às 18h04

Coluna de Francisco Cartaxo. (Foto: reprodução/Coisas de Cajazeiras).

Por Francisco Frassales Cartaxo

A Ribeira do Rio do Peixe foi a maior referência para a historiadora Rosilda Cartaxo Dantas. Seus escritos estão espalhados em livros, plaquetas, jornais e revistas, incluindo a Revista do Instituto Histórico e Geográfico Paraibano, do qual foi presidente. Muitos discursos, crônicas, ensaios biográficos e históricos se ligam a fatos, datas e figuras de nossa região, no começo do século XIX. Neste caso, fruto de pesquisas bibliográficas para realçar importantes episódios históricos. E disso tinha plena consciência, tanto que, na Introdução do livro Estrada das boiadas, ela fez este alerta:

Daí o meu trabalho ser uma sequência de aspas. Estas foram sinais luminosos colocados no meu trânsito. Não me condenem os historiadores por usar a crônica para falar da história da Ribeira. Registrei fatos, notas, poesia, a linguagem do meu povo, acompanhando-me nesta jornada.

Eis uma clara demonstração de lucidez da lúcida “normalista” que não teve a oportunidade de conhecer ferramentas de investigação, hoje usuais nas Universidades. E mais, em sua época, não se dispunha das facilidades propiciadas pela tecnologia que, atualmente, permite realizar pesquisas em qualquer biblioteca do mundo graças à digitalização de livros, jornais, revistas, documentos. No tempo de Rosilda prevalecia a garimpagem em papeis velhos de sacristias de igrejas, cartórios, em baús das famílias. E as narrativas escutadas dos mais velhos. Foi assim que Rosilda produziu boa parte de sua obra literária, preciosas trilhas para novos pesquisadores, em particular os que trazem na alma a Ribeira do Rio do Peixe.

Seus escritos falam de episódios vividos por antigos habitantes da região, com envolvimento direto dos Dantas Rothéa na luta entre legalistas e rebeldes, vinculados à Confederação do Equador. Foram confrontos armados, que deixaram centenas de mortos de facções políticas, no começo do século XIX. Conhecer esses fatos e personagens é indispensável à formação da Ribeira do Rio do Peixe. Mas sua significação vai além das fronteiras do sertão para alcançar a história da Paraíba e do Brasil.

Rosilda tinha uma motivação muito particular para enveredar por esse caminho literário. Ela foi marcada, quando menina, pelas narrativas familiares de seus antepassados: os Rothéa, Dantas e Cartaxo. Narrativas repletas de emboscadas, carabinas, punhais, de vingança, sangue e mortes. Ao tentar entender melhor tudo isso, Rosilda fez-se a grande cronista da Ribeira do Rio do Peixe.

Presidente da Academia Cajazeirense de Artes e Letras – ACAL

Francisco Cartaxo

Francisco Cartaxo

Francisco Sales Cartaxo Rolim foi secretário de planejamento do governo de Ivan Bichara, secretário-adjunto da fazenda de Pernambuco – governo de Miguel Arraes. É escritor, filiado à UBE/PE e membro-fundador da Academia Cajazeirense de Artes e Letras – ACAL. Autor de, entre outros livros, Guerra ao fanatismo: a diocese de Cajazeiras no cerco ao padre Cícero.

Contato: cartaxorolim@gmail.com

BANDIDAGEM

VÍDEO: Dupla realiza assalto em Coremas e um deles é preso planejando outro roubo na região de Pombal

A CASA CAIU

VÍDEO: Terceira pessoa é presa na Operação Pega Ladrão, da Polícia Civil, em Cajazeiras

ASSASSINATO

VÍDEO: Homem é morto com vários disparos de arma de fogo em via pública de cidade da região de Pombal

SETEMBRO VERDE

VÍDEO: Grupo da Central de Transplantes da PB inicia Campanha no Sertão e fala ao Balanço Diário

Francisco Cartaxo

Francisco Cartaxo

Francisco Sales Cartaxo Rolim foi secretário de planejamento do governo de Ivan Bichara, secretário-adjunto da fazenda de Pernambuco – governo de Miguel Arraes. É escritor, filiado à UBE/PE e membro-fundador da Academia Cajazeirense de Artes e Letras – ACAL. Autor de, entre outros livros, Guerra ao fanatismo: a diocese de Cajazeiras no cerco ao padre Cícero.

Contato: cartaxorolim@gmail.com

Recomendado pelo Google: