header top bar

Francisco Cartaxo

section content

A Paraíba e seus problemas

30/08/2021 às 19h36

Coluna de Francisco Frassales Cartaxo.

Por Francisco Frassales Cartaxo

Estou relendo o livro A Paraíba e seus problemas. Na verdade, lendo, tão distante faz que, pela primeira vez, li pequenos trechos de meu imediato interesse, no auge da seca de 1958. Ano de eleição, de corrupção sem freio, as listas de “flagelados das frentes de emergência” recheadas de familiares e amigos de chefes políticos. E até de estudantes! Tudo às claras, denunciado pela imprensa nacional, o velho PSD na presidência da República com Juscelino Kubistchek. Por isso, Acácio Braga Rolim foi o candidato mais votado em Cajazeiras e conquistou seu único mandato de deputado estadual.

1958 foi para mim tempo de saudade.

Naquele ano eu fazia o científico, me preparava para vestibular de direito na UFC, enquanto cursava o Centro de Preparação de Oficiais da Reserva (CPOR), em Fortaleza. Portanto, não podia passar férias em Cajazeiras. Agarrei-me ao livro que José Américo de Almeida escreveu em 1923. Ele contém ampla análise do fenômeno da seca e destaca as ações do governo do presidente Epitácio Pessoa (1919-1922) voltadas para combater seus efeitos. Construção de portos, ferrovias, estradas de rodagem, grandes e médios açudes. Acompanhava, também, pela Rádio Borborema, vez por outra, o desenrolar da campanha eleitoral na Paraíba e ainda escrevia um “diário da seca”. Em verdade, eu anotava num caderno notícias de chuvas, divulgadas no jornal O Povo ou pela emissora campinense.

Mas voltemos ao livro.

Ao ler a edição do Senado Federal (2012), vejo agora, citado em francês, o que li em português no Curso de Economia Política. Caramba, José Américo e eu tivemos as primeiras noções sistemáticas de Economia no mesmo livro do economista e historiador francês Charles Gide (1847-1932). Zé Américo, quando estudava na Faculdade de Direito do Recife, em 1904, e eu em Fortaleza, 55 anos depois! Lições de Economia de autor que falecera, aos 85 anos, antes de conhecer os efeitos completos da grande depressão de 1929 e, claro, a notável contribuição de John Maynard Keynes, o pensador inglês que influenciaria as gerações seguintes, inclusive os latino-americanos, como Celso Furtado. Keynes formulou teorias inovadoras, defendeu a pronta intervenção do Estado na economia, em épocas de crise. E deu ferramentas aos estudiosos dos países subdesenvolvidos para analisar nossa realidade e revolucionar a administração pública. Mas isso veio muito depois de José Américo escrever seu extraordinário livro.

Presidente da Academia Cajazeirense de Artes e Letras – ACAL

Francisco Cartaxo

Francisco Cartaxo

Francisco Sales Cartaxo Rolim foi secretário de planejamento do governo de Ivan Bichara, secretário-adjunto da fazenda de Pernambuco – governo de Miguel Arraes. É escritor, filiado à UBE/PE e membro-fundador da Academia Cajazeirense de Artes e Letras – ACAL. Autor de, entre outros livros, Guerra ao fanatismo: a diocese de Cajazeiras no cerco ao padre Cícero.

Contato: cartaxorolim@gmail.com

17 DE MAIO

VÍDEO: Repórter relata preconceito ao se assumir gay e vê LGBTQIA+ sendo ‘usados’ em debate eleitoral

FÉ CATÓLICA

VÍDEO: Bispo de Cajazeiras participa de Missa no túmulo de São Pedro, na Basílica do Vaticano, em Roma

ELEIÇÕES 2022

VÍDEO: Veneziano diz que chapa com Ricardo não tem ‘Plano B’ e nega conversas com Cássio e Pedro

ELEITOS EM 2020

VÍDEO: Advogado comenta decisão do TRE que determina cassação de vereadores de cidade na região de Sousa

Francisco Cartaxo

Francisco Cartaxo

Francisco Sales Cartaxo Rolim foi secretário de planejamento do governo de Ivan Bichara, secretário-adjunto da fazenda de Pernambuco – governo de Miguel Arraes. É escritor, filiado à UBE/PE e membro-fundador da Academia Cajazeirense de Artes e Letras – ACAL. Autor de, entre outros livros, Guerra ao fanatismo: a diocese de Cajazeiras no cerco ao padre Cícero.

Contato: cartaxorolim@gmail.com

Recomendado pelo Google: