header top bar

Francisco Cartaxo

section content

Anotações de Celso Furtado

23/12/2019 às 08h05

Coluna de Francisco Cartaxo

Estou lendo o livro de Celso Furtado, Diários intermitentes: 1937-2002, organizado pela jornalista e tradutora Rosa Freire D’Aguiar, publicado neste final de 2019. Contém anotações feitas em diferentes situações e lugares, desde quando Celso residia em João Pessoa até perto de falecer no Rio de Janeiro, em 2004. Inevitável lembrar da tentativa de recriar a Sudene, no primeiro quatriênio da era Lula. Na verdade, uma ilusão, mais uma, aquela desfeita no nascedouro. Por isso, a seguir transcrevo o texto que foi publicado no jornal O Norte, de João Pessoa, no dia 15 de maio de 2007, sob o título de Sudene sem festa.

Fernando Henrique extinguiu a Sudene há seis anos e faz quase quatro que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva encaminhou, simbolicamente, ao Congresso Nacional o projeto de lei de sua recriação, preparado pela equipe coordenada por Tânia Bacelar. A festa com pompa e mídia, no BNB, em Fortaleza, em julho de 2003, parecia promessa de campanha a caminho de realização. Engano.

Logo que assumiu o primeiro mandato, Lula criou Grupo Técnico que cuidou de definir o perfil do novo órgão a ser criado com dois pilares: estrutura flexível para planejar o desenvolvimento regional e recursos estáveis capazes de financiar a infraestrutura econômica e setores produtivos do Nordeste.

A segunda viga era crucial. Envolvia acordo de cavalheiros na cúpula do governo, no tanto em que os recursos financeiros seriam objeto de Projeto de Emenda Constitucional – PEC. Só assim deixariam de sofrer contingenciamento, à semelhança das cotas do FPM e FPE. Portanto, longe dos humores da Fazenda e do Banco Central.

O projeto de lei andou a passos de tartaruga, embora o ofício ao Congresso recomendasse regime de urgência, ou seja, 45 dias para a tramitação. Esqueceram o prazo. Mas o núcleo duro do governo Lula (Antônio Palocci e Zé Dirceu) negociou com os governadores o rateio, entre os estados, do que seria a fonte financeira permanente, oriunda da PEC nº 41. Cada estado ficaria com seu quinhão e a Sudene sem nenhum.

O pilar que daria substância ao planejamento do Nordeste ruiu. Sem barulho. Quem ouviu protesto? Ninguém. Aqui e acolá, uma voz isolada, simples registro para a história.

A verdade é que o poder efetivo dentro do governo Lula não comprara a ideia da nova Sudene. Isso ficou claro desde que o Grupo Técnico começou a recolher dados, ouvir políticos, lideranças empresariais, acadêmicos, técnicos, entidades da sociedade civil. Celso Furtado chorou de emoção em fala no BNDES, vendo em Tânia Bacelar a imagem renascida da “fantasia desfeita”. Chorou, ele que era um cacto.

A esperança morria na porta de entrada do poder federal. E também dos governadores, sempre arredios nesse processo. Ciro Gomes, ministro da Integração, e Tânia Bacelar mais pareciam personagens de Cervantes.

O projeto de lei, emendado no Congresso, e vetado parcialmente pelo presidente Lula, não assegura a pilastra dos recursos. Por isso, não se fez festa quando o Diário Oficial publicou a Lei Complementar nº 125, no dia 4 de janeiro de 2007.

Festa por quê? Melhor buscar outras saídas para o Nordeste.

Francisco Cartaxo

Francisco Cartaxo

Francisco Sales Cartaxo Rolim foi secretário de planejamento do governo de Ivan Bichara, secretário-adjunto da fazenda de Pernambuco – governo de Miguel Arraes. É escritor, filiado à UBE/PE e membro-fundador da Academia Cajazeirense de Artes e Letras – ACAL. Autor de, entre outros livros, Guerra ao fanatismo: a diocese de Cajazeiras no cerco ao padre Cícero.

Contato: cartaxorolim@gmail.com

33º ÓBITO

VÍDEO: Resultado do teste do corretor de imóveis que faleceu em Cajazeiras deu positivo para Covid-19

SUPERAÇÃO

VÍDEO: menino que nasceu sem braços e pernas emociona ao falar sobre sua história de vida

MAIS UMA OPÇÃO

VÍDEO: Wilson Filho diz que governador ‘olha com carinho’ para sua pré-candidatura a prefeito de JP

PARCERIA NÃO-ELEITORAL

VÍDEO: Pré-candidato aliado do Estado reconhece que governador vai apoiar seu adversário em São João

Francisco Cartaxo

Francisco Cartaxo

Francisco Sales Cartaxo Rolim foi secretário de planejamento do governo de Ivan Bichara, secretário-adjunto da fazenda de Pernambuco – governo de Miguel Arraes. É escritor, filiado à UBE/PE e membro-fundador da Academia Cajazeirense de Artes e Letras – ACAL. Autor de, entre outros livros, Guerra ao fanatismo: a diocese de Cajazeiras no cerco ao padre Cícero.

Contato: cartaxorolim@gmail.com

Recomendado pelo Google:
error: Alerta: Conteudo Protegido !!