header top bar

Gildemar Pontes

section content

Bolsonarismo é uma doença da falta de cidadania

10/04/2020 às 00h55 • atualizado em 10/04/2020 às 00h57

Presidente Bolsonaro

Por Gildemar Pontes

Meus caros leitores, não sou muito fácil de perder a paciência, por isso, muitas vezes, transformo a minha indignação reagindo através da pilhéria. Como estudo identidade nacional, a partir da visão da “Carta” de Pero Vaz de Caminha, passando por alguns historiadores e por alguns escritores, defendo a tese de que não existe povo brasileiro com identidade assumida.

Sempre existiram atribuições de identidades de acordo com a ideologia dos grupos dominantes ou dominados. Embora gostemos, o futebol não nos representa, a bundificação das mulheres não nos representa, a poesia, a arte, a leitura, a ciência, a vida saudável, a solidariedade, Jesus… nada disso nos representa. Somos um povo taxado pelos impostos e tachado pela imposição de uma cruz ou de uma bíblia que quase ninguém leu.

Caminha chamou os índios de tábula rasa, mansos, criaturas sem alma. Os donatários das Capitanias hereditárias enxergavam o poder, o lucro, a escravização do negro e a servilidade dos pobres. O Império manteve a escravidão porque beneficiava os ricos que sustentavam a corte de parasitas. A República continuou com a exploração dos pobres e não sabia o que fazer com os negros, recém-libertos da escravidão. Criaram os miseráveis que fundaram os cortiços e as favelas. Todos os governos, sem exceção, mantiveram o povo sob controle, dosando aqui e ali algum benefício para distração, enquanto os ricos se regateavam no banquete dos banqueiros e dos empresários inescrupulosos.

Então, não somos responsáveis por essa corrupção endêmica, mas poderíamos comemorar a vitória sobre um vírus, se, antes, tivéssemos conquistado a civilidade. Infelizmente, somos bárbaros em grande maioria. Lula se elegeu com a maioria de miseráveis e pobres que tiveram a ilusão de consumo e foram reestilizados em gráficos que eliminaram a barbárie do mapa, mas não das pessoas. Um catador de lixo só deixará de ser miserável se puder ter renda, consumo, mas, acima de tudo, transformação pela via da Educação e do acesso aos bens públicos. Criaram-se escolas, universidades, Institutos federais, entupiram o sistema privado de ensino de dinheiro e não conseguiram estancar o analfabetismo, a fome, a segregação racial, a má distribuição de renda etc., porque, antes, não estancaram o egoísmo.

Nunca houve educação em massa, da forma como queriam Brizola e Darcy Ribeiro. As universidades ficaram reféns de um sindicalismo preguiçoso que não renova sequer os nomes dos dirigentes. E foram entrando no mercado de trabalho servidores com a mentalidade de preservação do emprego mais do que de atuação precípua da sua função. Isso favoreceu a politicagem que perdura em parte do serviço público, notadamente nas prefeituras e órgãos dos governos estaduais. A única política que prosperou no Brasil foi a política de favores. Basta ler Sérgio Buarque de Holanda, Darcy Ribeiro, Nelson Werneck Sodré, Rento Ortiz, Carlos Guilherme Mota e mais uma porrada de caras que pensaram o Brasil, mas não conseguiram influir nas políticas governamentais.

“Somos” bolsonaros gritando mito, “somos” bolsonaros arrependidos (porque “gritamos” mito), “somos” amoedos porque somos canalhas em não assumir que votamos em bolsonaros. No fundo, somos um povo só. Antes, éramos Lula, porque a estrela ia brilhar, éramos Lula porque era a vez do pobre, éramos Lula porque precisávamos de voz e de vez. Éramos Lula porque o capitalismo selvagem iria nos esfacelar. Deu em nada, porque nos faltava o princípio elementar de 520 anos de história: a EDUCAÇÃO. O único governo na história da República que pensou a Educação de forma inclusiva e integrada não assumiu. Jango foi deposto por um grupo de militares a serviço do imperialismo americano e da elite empresarial que se refestelou e consolidou seu poder para além da truculência da ditadura militar.

No futuro, se houver algum, ter sido Lula ou Bolsonaro não fará diferença num país neocolonizado por Estados Unidos ou China. A correlação de poderes será entre povo escravizado e patrões.

Lembro da lição de um padre sociólogo que conheci na juventude: “Sem derramamento de sangue não evoluiremos. E tem mais, você, com todo o seu ateísmo, tem muito mais fé em Deus do que eu”. Só depois, muito tempo depois, entendi o sentido de Deus e da fé, coisa que os cristãos de araque de hoje jamais saberão, porque, em sua maioria, são incapazes de interpretar o que leem.

Gildemar Pontes

Gildemar Pontes

Escritor e Poeta. Ensaísta e Professor de Literatura da Universidade Federal de Campina Grande – UFCG, em Cajazeiras. Graduado em Letras pela UFC, Mestre em Letras UERN. Doutorando em Letras UERN. Editor da Revista Acauã e do Selo Acauã. Tem 22 livros publicados e oito cordéis.

É traduzido para o espanhol e publicado em Cuba nas Revistas Bohemia e Antenas. Vencedor de Prêmios Literários locais e nacionais. Foi indicado para o Prêmio Portugal Telecom, 2005, o principal prêmio literário em Língua Portuguesa no mundo. Ministra Cursos, Palestras, Oficinas, Comunicações em Eventos nacionais e internacionais. Faixa Preta de Karate Shotokan 3º Dan.

Contato: gilpoeta@yahoo.it

OPINIÃO

VÍDEO: Jornalista fala sobre a vacina do Coronavac e destaca a importância do Instituto Butantan

CUIDADO

VÍDEO: Durante novenário, em Ipaumirim, Padre pede que fiéis fiquem atentos a pandemia do coronavírus

NOVA ONDA

VÍDEO: Senador Ney Suassuna acredita que deve haver lockdown com segunda onda de Covid-19 no Brasil

INADMISSÍVEL

VÍDEO: Nilvan Ferreira diz que foi vítima de racismo e chamado de ‘macaco’ na eleição em João Pessoa

Gildemar Pontes

Gildemar Pontes

Escritor e Poeta. Ensaísta e Professor de Literatura da Universidade Federal de Campina Grande – UFCG, em Cajazeiras. Graduado em Letras pela UFC, Mestre em Letras UERN. Doutorando em Letras UERN. Editor da Revista Acauã e do Selo Acauã. Tem 22 livros publicados e oito cordéis.

É traduzido para o espanhol e publicado em Cuba nas Revistas Bohemia e Antenas. Vencedor de Prêmios Literários locais e nacionais. Foi indicado para o Prêmio Portugal Telecom, 2005, o principal prêmio literário em Língua Portuguesa no mundo. Ministra Cursos, Palestras, Oficinas, Comunicações em Eventos nacionais e internacionais. Faixa Preta de Karate Shotokan 3º Dan.

Contato: gilpoeta@yahoo.it

Recomendado pelo Google:
error: Alerta: Conteudo Protegido !!