header top bar

Francisco Cartaxo

section content

Campanhas eleitorais na pandemia

19/10/2020 às 08h49

Devido ao Coronavírus, eleições 2020 não usará a biometria

As eleições deste ano são diferentes. Por quê? Por duas razões. Primeira, existe a proibição de coligações partidárias para vereadores. Até agora, os partidos políticos podiam unir-se em uma só legenda. Este ano, não. Cada um concorre isoladamente. Assim, os partidos pequenos estão mais vulneráveis. Se a legenda não atingir determinado número de votos, perde todos os sufrágios dados a ela. Ao final da apuração, saberemos o efeito real de tal mudança nas regras eleitorais.

A pandemia faz a outra diferença.

A doença mundial introduz um ingrediente forte ao rosário de fatores acumulados ao longo dos anos às campanhas eleitorais no Brasil. Em tempos remotos, a joia das eleições eram os comícios. Até o meado do século XX, as pessoas iam às ruas para ouvir seus candidatos. Seus ídolos. O discurso ao vivo, no clima de animação coletiva, constituía a atração maior da campanha, com oradores criando famosas frases de efeito. “E o dinheiro? É fácil. É facílimo. Eu sei onde está o dinheiro!” (José Américo, 1937). Jornais e revistas, aliados ao rádio, eram os grandes meios de comunicação. No interior, a visita de casa em casa tinha vez.

Esse tempo acabou.

O rádio e a televisão, e mais recentemente a internet, tornaram o comício um troço anacrônico. Você vê e ouve seus ícones todos os dias, a qualquer hora. Não precisa abalar-se de casa. A tentativa de fazer do comício um show nasceu e prosperou. Multidões enormes foram atraídas para ver e ouvir seus artistas preferidos, e cantar e dançar ao som de sucessos musicais. O que menos o eleitor queria era escutar discurso! Chegavam a vaiar! O showmício é a descaracterização do comício. E ainda serviu para esconder a roubalheira dos contratos superfaturados. Hoje a lei impede o showmício. Em paralelo, surgiram duas formas de contato do candidato com os eleitores: a carreata, a caminhada e a passeata. Este ano estão limitadas pela covid 19.

Restam o guia eleitoral e as redes sociais.

Ambos são instrumentos limitados como forma de fazer chegar ao eleitor o perfil real do candidato. O horário eleitoral gratuito foi, na sua origem, um excelente meio. Ao contrário do que muita gente pensa, o guia eleitoral não foi criação da ditadura. Veio de antes, como uma maneira de dar oportunidade a muitos candidatos de poucos recursos financeiros e não apenas aos que compram espaços na televisão. Quando estudava na Bahia, vi e ouvi verdadeiras aulas do deputado Fernando Santana acerca de problemas nacionais. Aulas dadas ao vivo, com paneis, tabelas e gráficos. Na campanha municipal de 1963, em Cajazeiras, me encarreguei de fazer o guia eleitoral do candidato a prefeito, Raimundo Ferreira, pela DRC, quando ainda era serviço de alto-falantes. Tudo ao vivo. Neste caso, com pouco efeito prático, pois vivíamos a fase áurea das passeatas e o nascer das carreatas. Ora, para melhor escutar a Difusora, o eleitor teria que sair para a calçada ou para o meio da rua.

Mentia-se menos no guia eleitoral.

Hoje virou fantasia de marqueteiro. Produção artística. O que menos importa são propostas sérias. Os debates, com todas as limitações, ainda têm certa eficácia, desde que não traga para a televisão e o rádio a insuportável baixaria das redes sociais. Neste ambiente virtual impera a mentira deslavada, a acusação sem prova, as insinuações malévolas que envolvem a vida privada de candidatos.

E quem atira a primeira pedra?

Ora, mora também em casa de vidro!

Presidente da Academia Cajazeirense de Artes e Letras

Francisco Cartaxo

Francisco Cartaxo

Francisco Sales Cartaxo Rolim foi secretário de planejamento do governo de Ivan Bichara, secretário-adjunto da fazenda de Pernambuco – governo de Miguel Arraes. É escritor, filiado à UBE/PE e membro-fundador da Academia Cajazeirense de Artes e Letras – ACAL. Autor de, entre outros livros, Guerra ao fanatismo: a diocese de Cajazeiras no cerco ao padre Cícero.

Contato: cartaxorolim@gmail.com

DIREITO

VÍDEO: Após ação da OAB-PB, TJPB desiste de desinstalar 3ª Vara da Comarca de Cajazeiras, diz advogado

FATALIDADE

VÍDEO: Acidente entre carro e moto atinge homem que trabalhava às margens da estrada, no Cariri cearense

IMPACTOS DIRETOS

VÍDEO: Censura Livre promove debate acalorado sobre os impactos dos decretos no comércio do Alto Sertão

POSSÍVEL AGLOMERAÇÃO

VÍDEO: Ministério Público pode multar padre do Vale do Piancó por realizar bingo com presença de pessoas

Francisco Cartaxo

Francisco Cartaxo

Francisco Sales Cartaxo Rolim foi secretário de planejamento do governo de Ivan Bichara, secretário-adjunto da fazenda de Pernambuco – governo de Miguel Arraes. É escritor, filiado à UBE/PE e membro-fundador da Academia Cajazeirense de Artes e Letras – ACAL. Autor de, entre outros livros, Guerra ao fanatismo: a diocese de Cajazeiras no cerco ao padre Cícero.

Contato: cartaxorolim@gmail.com

Recomendado pelo Google:
error: Alerta: Conteudo Protegido !!