header top bar

Francisco Cartaxo

section content

Da usina não restou nem a gravata borboleta

03/08/2020 às 10h09

Coluna de Francisco Cartaxo

Passava de duas horas da tarde quando chegamos, depois de percorrer quilômetros de canaviais. Árvores e sombras em torno da casa grande nos impediam de ver a senzala, se é que ainda estava de pé. Os visitantes, uma equipe técnica do BNDES e eu, fomos recebidas com gestos de fidalguia. Água de coco, sucos de frutas, uísque. Tira-gosto. Tudo servido por garçons vestidos de summer e gravata borboleta. Que estranho para um dia de trabalho, pensei. Espantei-me! Era apenas o começo, após uma manhã inteira entre o verde buliçoso de pés de cana nas terras da usina. Para um matuto de Cajazeiras, que só conhecia pequenos engenhos de rapadura aquilo era fantástico.
O mais fantástico ainda viria.

O velho usineiro surge na varanda onde estamos. Os filhos presentes se levantam, beijam-lhe a mão. Só então somos apresentados. Após meio anel de prosa, ouvimos: pode servir o almoço, ordenou o chefe do clã. Cena de Gilberto Freyre ou de Zé Lins do Rego, rumino. O ritual persistia desde o tempo do império, pensei. O velho sentou-se. Aí, sim, veio a aquiescência para imitá-lo, enquanto o garçom lhe servia uma taça de vinho português. Não estranhe, cochichou a meu lado o genro, é tradição da família desde sempre. Os garçons só abalaram para nos servir após um deles ter colocado as primeiras porções no prato do usineiro à cabeceira da grande mesa de jacarandá.
Por que participei da inusitada cena?

Um dia antes, no gabinete do governador Miguel Arraes, me foi dada a tarefa de acompanhar a equipe carioca do BNDES. O governo de FHC/Marco Maciel tentava “salvar” a usina, que fora uma das mais lucrativas do Nordeste. Modelo de tratos agrícolas avançados naquele tempo, de inovações tecnológicas e de equilíbrio financeiro. Uma exceção em meio à crise estrutural do setor sucroalcooleiro regional.

Usina de açúcar é um mundo, comparada a um engenho de rapadura. Na safra é uma continua movimentação de gente, caminhões pra lá e pra cá, moendas gigantes a vomitar bagaço e escorrer o caldo… Tudo monstruoso. Aquela enormidade me trazia à lembrança a arte de puxar alfenim, em dia de lazer nos engenhos do sertão! Agora, estávamos ali, para conhecer a usina e sentir de perto a decadência da aristocracia rural. Poderosos senhores de terras e escravos que, no passado, constituíram a fração de classe mais poderosa da economia e da política do Nordeste. Vinham da áurea quadra dos senhores de engenho, alguns transformados em usineiros, outros, por eles engolidos, como narrou Zé Lins do Rego em notáveis romances.

Lá atrás, a euforia da lavoura do café no final do século XIX, no Rio, Minas e São Paulo, começou a desbancar “nosso” açúcar da pauta de exportações. Mesmo assim, não apagou valores sociais e morais perversos, simbolizados na distância entre a casa grande e a senzala. E, em outro plano, alijou da cena política nacional, primeiro, barões, viscondes e marqueses do açúcar e, mais tarde, o usineiro-empresário. Donos de terras, escravos e “exércitos” particulares, afeitos à apropriação do Estado, cada um na sua época usufruindo os privilégios do patrimonialismo.

Guardo na lembrança das palavras de doutor Arraes. Dias após aquela visita-trabalho à então ainda ativa usina pernambucana, ele me disse, como quem pensa alto: no passado, essa gente quis pegar em armas para me depor do governo. E pigarreou.
Perderam o poder e a pompa, penso eu agora, nem a gravata borboleta restou.

Presidente da Academia Cajazeirense de Artes e Letras – ACAL

Francisco Cartaxo

Francisco Cartaxo

Francisco Sales Cartaxo Rolim foi secretário de planejamento do governo de Ivan Bichara, secretário-adjunto da fazenda de Pernambuco – governo de Miguel Arraes. É escritor, filiado à UBE/PE e membro-fundador da Academia Cajazeirense de Artes e Letras – ACAL. Autor de, entre outros livros, Guerra ao fanatismo: a diocese de Cajazeiras no cerco ao padre Cícero.

Contato: cartaxorolim@gmail.com

DIREITO

VÍDEO: Após ação da OAB-PB, TJPB desiste de desinstalar 3ª Vara da Comarca de Cajazeiras, diz advogado

FATALIDADE

VÍDEO: Acidente entre carro e moto atinge homem que trabalhava às margens da estrada, no Cariri cearense

IMPACTOS DIRETOS

VÍDEO: Censura Livre promove debate acalorado sobre os impactos dos decretos no comércio do Alto Sertão

POSSÍVEL AGLOMERAÇÃO

VÍDEO: Ministério Público pode multar padre do Vale do Piancó por realizar bingo com presença de pessoas

Francisco Cartaxo

Francisco Cartaxo

Francisco Sales Cartaxo Rolim foi secretário de planejamento do governo de Ivan Bichara, secretário-adjunto da fazenda de Pernambuco – governo de Miguel Arraes. É escritor, filiado à UBE/PE e membro-fundador da Academia Cajazeirense de Artes e Letras – ACAL. Autor de, entre outros livros, Guerra ao fanatismo: a diocese de Cajazeiras no cerco ao padre Cícero.

Contato: cartaxorolim@gmail.com

Recomendado pelo Google:
error: Alerta: Conteudo Protegido !!