header top bar

José Anchieta

section content

Estudar é Preciso

20/01/2010 às 17h26

Por Padre Renato

Quem não erra? Todos erramos, claro! Errar faz parte da natureza humana. Contudo, as falhas podem ser dirimidas com o estudo e com o aprofundamento a respeito de determinada matéria.

Naturalmente, não poderei dar uma posição exata do que não pertence à minha área, como a astronomia, por exemplo, mas, se assim tiver que fazer, terei de procurar alguém que seja deste ramo para uma ajuda a fim de plasmar em mim uma ideia mais clara sobre o assunto.

O mundo jurídico não está livre das falhas, pois todos os que trabalham lá são humanos. Ali, convivemos com os acertos, que fazem os homens atingirem o apogeu do trabalho judiciário, a justiça, e convivemos com os erros que, infelizmente, promovem a injustiça.

Em estudos pessoais recentes, tive em mãos o despacho de um juiz sobre o pedido de uma diocese, que pleiteava a assistência judiciária em que figurava como autora de uma ação de usucapião.

Surpreendentemente, o juiz alegou que tal benefício somente poderia ser concedido a quem, assim fazendo, se sentisse prejudicado no próprio sustento ou da família; ora a diocese é uma pessoa jurídica de direito privado e não tem família, logo não poderia ser destinatária do benefício. Esqueceu o ilustre magistrado que “diocese” é uma pessoa jurídica peculiar, uma organização religiosa, e como tal, detentora de alguns direitos, como o aqui negado.

A ilação do senhor juiz vai adiante, ao afirmar que, se a diocese não pode pagar as custas processuais, que a Santa Sé pague. Não compreendeu o meritíssimo que diocese é diocese e Santa Sé é Santa Sé, e que uma pessoa jurídica não pode (a não ser que as assuma) arcar com os débitos de outra.

No seu arrazoado, também deixou claro, com a empáfia das palavras usadas, que o legislador limitou a extensão da imunidade tributária “tão ao templo religioso, não se aplicando aos demais bens que integrem ou venham integrar o patrimônio da santa igreja”, jogando ao solo a Constituição Federal, o Código Civil Brasileiro, o Acordo Igreja-Estado e jurisprudência já formada no STF, por ocasião da “questão Jales”, em que aquela diocese foi à última instância judiciária do país e conquistou o direito, para toda a Igreja no Brasil, de ser respeitada como “organização religiosa” e não pagar IPTU à prefeitura, entre outros impostos, taxas e tributos.

O acórdão do Supremo foi claro e se expressou de forma completamente inversa ao pronunciamento do senhor juiz.

Errar é humano, mas estudar é preciso.

José Anchieta

José Anchieta

Redator do Jornal Gazeta do Alto Piranhas, Radialista, Professor formado em Letras pela UFPB.

Contato: janchietacl@hotmail.com

OPERAÇÃO INOCÊNCIA

VÍDEO: Homem é preso em Cajazeiras suspeito de abusar sexualmente de duas sobrinhas de 9 e 10 anos

FIQUE POR DENTRO

VÍDEO: Diário Esportivo debate sobre vitória do Campinense contra o Belo e empate do Sousa fora de casa

17 DE MAIO

VÍDEO: Repórter relata preconceito ao se assumir gay e vê LGBTQIA+ sendo ‘usados’ em debate eleitoral

FÉ CATÓLICA

VÍDEO: Bispo de Cajazeiras participa de Missa no túmulo de São Pedro, na Basílica do Vaticano, em Roma

José Anchieta

José Anchieta

Redator do Jornal Gazeta do Alto Piranhas, Radialista, Professor formado em Letras pela UFPB.

Contato: janchietacl@hotmail.com

Recomendado pelo Google: