header top bar

Francisco Cartaxo

section content

Europa, França e Bahia

22/03/2022 às 08h44

Coluna de Francisco Frassales Cartaxo

Por Francisco Frassales Cartaxo

É comum ouvir a expressão: Europa, França e Bahia. Quase sempre com o sentido de abarcar o mundo, uma acepção do universo, às vezes, com óbvia conotação pejorativa. Desde quando morei em Salvador, guardei a impressão que a frase era invenção de baiano. Talvez tenha sido, mas nunca pesquisei sua origem.

Ao ler “Instituições políticas brasileiras”, de Oliveira Viana (1883-1951), me deparei com aquela frase, aplicada ao contexto dos sertões. Explico. No capítulo em que se atém à capacidade política da população nacional, “isto é, a capacidade para organizar e exercer os poderes públicos”, o autor separa o Brasil em três grandes grupos, vinculando-os a diferenciações regionais, do ponto de vista antropogeográfico: grupo do Centro-Sul; grupo do extremo Sul; grupo do Nordeste – populações sertanejas propriamente ditas.

Referindo-se às populações sertanejas (e não às do litoral), Oliveira Viana, entre outras considerações, afirma que “nas duas vezes em que se colocaram em condições de autonomia e independência, organizaram-se, espontaneamente, sobre uma base de ditaduras teocráticas. É o que indicam os movimentos de Pedra Bonita, no Império, e de Canudos, na República.” (p.399). Enxergou nisto um traço característico do povo de nossos sertões, não encontrado nas outras regiões, por ele estudadas. Oliveira Viana confessa não conhecer o Nordeste, ao contrário das outras áreas, para as quais ele se deslocou, a fim de estudá-las melhor. Por essa motivo, ele recorre a quem viveu e pesquisou por estas bandas, inclusive percorrendo terras sertanejas. Daí vem esta citação do publicista fluminense:

“Na sua viagem científica aos sertões do Norte (Piauí, Maranhão, Bahia e Pernambuco), Artur Neiva e Belisário Pena ficaram surpresos com a ausência – não direi do sentimento, mas mesmo da ideia de pátria comum nos sertanejos baianos do alto sertão. Para estes nossos obscuros compatriotas, o vasto mundo geográfico se resumia nesta vaga ideia e nesta expressão: Europa, França e Bahia. Esta era a única informação que tinham do mundo brasileiro. Não possuíam consciência – nem geográfica nem cívica – do Brasil: não tinham mesmo noção de que pertenciam a este grande país…” (p. 400).

A viagem dos cientistas, o baiano Artur Neiva e Belisário Pena, mineiro formado na Bahia, ocorreu em 1912.

Isso foi há mais de cem anos. Imagine se hoje alguém disser, que nem eu, minha pátria é Cajazeiras!

Presidente da Academia Cajazeirense de Artes e Letras – ACAL

Francisco Cartaxo

Francisco Cartaxo

Francisco Sales Cartaxo Rolim foi secretário de planejamento do governo de Ivan Bichara, secretário-adjunto da fazenda de Pernambuco – governo de Miguel Arraes. É escritor, filiado à UBE/PE e membro-fundador da Academia Cajazeirense de Artes e Letras – ACAL. Autor de, entre outros livros, Guerra ao fanatismo: a diocese de Cajazeiras no cerco ao padre Cícero.

Contato: cartaxorolim@gmail.com

OPERAÇÃO INOCÊNCIA

VÍDEO: Homem é preso em Cajazeiras suspeito de abusar sexualmente de duas sobrinhas de 9 e 10 anos

FIQUE POR DENTRO

VÍDEO: Diário Esportivo debate sobre vitória do Campinense contra o Belo e empate do Sousa fora de casa

17 DE MAIO

VÍDEO: Repórter relata preconceito ao se assumir gay e vê LGBTQIA+ sendo ‘usados’ em debate eleitoral

FÉ CATÓLICA

VÍDEO: Bispo de Cajazeiras participa de Missa no túmulo de São Pedro, na Basílica do Vaticano, em Roma

Francisco Cartaxo

Francisco Cartaxo

Francisco Sales Cartaxo Rolim foi secretário de planejamento do governo de Ivan Bichara, secretário-adjunto da fazenda de Pernambuco – governo de Miguel Arraes. É escritor, filiado à UBE/PE e membro-fundador da Academia Cajazeirense de Artes e Letras – ACAL. Autor de, entre outros livros, Guerra ao fanatismo: a diocese de Cajazeiras no cerco ao padre Cícero.

Contato: cartaxorolim@gmail.com

Recomendado pelo Google: