header top bar

Damião Fernandes

section content

Irmã Fernanda: uma educadora esquecida

13/01/2018 às 16h28

Irmã Fernanda: uma educadora esquecida - Por: Damião Fernandes

A minha proposta de pesquisa de doutoramento, na linha de História da Educação no Programa de Pós-graduação em Educação na Universidade Federal da Paraíba (UFPB), tentará contemplar o uso metodológico da (auto)biografia na investigação sobre histórias e memórias da religiosa e educadora Maria Fernanda Marabello, no que refere ao poder de transformação social do seu fazer educacional, bem como a contribuição deste para a transformação social e o desenvolvimento sociocultural da cidade de Cajazeiras no alto sertão paraibano. Neste sentido, o recorte temático da pesquisa estará historicamente contextualizado na fronteira entre a história, a memória e a cultura, estando inscrita nas narrativas e nas escritas de si dos sujeitos vinculados à história da prática docente da educadora. Tal prática que é empreendida no contexto cultural escolar, configura-se como um processo no qual as subjetividades e identidades dos indivíduos envolvidos são construídas, desconstruídas e reconstruídas.

A história, a vida e trajetória profissional de educadores e educadoras tem se constituído em um dos mais importantes temas de grande relevância no campo da história da educação. A pesquisa sobre formação de docentes, incluindo saberes e memoriais autobiográficos, tem ganhado evidente destaque no cenário docente. De acordo com Nóvoa (1995), tais pesquisas se propõem à memória de educadores e educadoras e às suas práticas profissionais que por algum motivo, foram negligenciadas por um tipo de paradigma convergente à uma racionalidade técnica. Portanto, narrar a história da contribuição do feminino na história da educação, além de ser uma forma de importante registro histórico, se constitui como uma maneira de promover um desvelamento da memória feminina e incluir a mulher na história. De acordo com Machado (2012, p.8), “contar as histórias das educadoras é insistir no rompimento de um silencio histórico que perdurou tempo demais”. Portanto, é possível compreender que para escrevermos a história, se faz necessário o uso de traços que foram deixados, dos vestígios não apagados que representam ou que dizem sobre a vida de homens e mulheres das sociedades passadas.

A ideia de pesquisar sobre a trajetória de vida da educadora e religiosa, Maria Fernanda Marabello, conhecida como Irmã Fernanda, teve origem a partir da percepção de como o seu fazer educacional que fora assumido como uma intransferível missão, teve papel fundamental no desenvolvimento político-social de toda uma comunidade local. O seu pioneirismo na área da educação, na cidade de Cajazeiras, possibilitou um grande desenvolvimento social por meio da alfabetização de centenas de adultos e crianças pobres, que entre estas me incluo, e ainda a construção de um processo de inclusão social através de práticas de uma “educação profissional”, através da oferta de oficinas de artes, corte e costura e pintura. Por isso que neste trabalho, propomos a utilização de narrativas sobre a trajetória do seu fazer educacional, como também das suas práticas educativas como objeto de estudo e fonte para a escrita da história da educação de Cajazeiras e por consequente, para a história da educação da Paraíba. Almejamos com tal pesquisa, evidenciar o importante pioneirismo de mulheres na história da educação local de Cajazeiras, possibilitando que tais mulheres e suas práticas são de uma invisibilidade histórica.

Para tanto, buscaremos analisar o período que vai a partir do ano de 1977, em que compreende a chegada da Congregação das Irmãs da Sagrada Face aqui em cajazeiras, a instalação da Escola São José, com aproximadamente mais de oitocentas crianças matriculadas em seus primeiros anos de funcionamento, até o ano de 1991, período em que a educadora é acusada pelo então Deputado Estadual Cajazeirense Bosco Barreto, de fazer parte de uma Rede Italiana de tráfico de menores, subtraindo traindo crianças de

famílias pobres para doar à famílias ricas em Cidades da Itália. Fato este, que será determinante, tanto para a crise e fechamento da Escola São José quanto para o seu falecimento em 02 setembro de 1991. Dessa forma, inferimos que conhecer a história da trajetória de vida e do fazer educacional desta educadora, se mostra de capital relevância para compreender também a história sociocultural e educacional de um povo que tem como brasão maior da sua identidade cultural o axioma “a terra que ensinou a Paraíba ler”.

A partir da compreensão e ancorado na ideia de que os estudos em História da Educação surgem da necessidade de uma renovação teórico-metodológica, temos por base que este trabalho de pesquisa se pretende em dar voz à atores históricos esquecidos, aos atores envolvidos nos processos educativos, ao cotidiano escolar, bem como enfatizar uma visão mais profunda dos espaços sociais, materiais, sociais e políticos que constituíram a história da educação da cidade de Cajazeiras. Tal história local muitas vezes é contada com brechas de contradição, temporalidades e personagens equivocados. Faltando muitas das vezes nestes relatos, fundamentações teóricas e registros documentais. Falta à História de Cajazeiras uma historiografia séria e honesta. Nesta pesquisa, a forma pela qual a educadora poderá ser enveredada por uma riqueza de detalhes guardados na memória daqueles que foram seus contemporâneos (história oral), além de outros documentos históricos, tais como escritos, iconográficos e materiais, nos dará concretude e visibilidade às suas memórias de práticas educativas, construindo sua trama, será a narração e o seu respectivo registro.

Em nosso estudo, partirei da análise de realidades do cotidiano vivido e experimentado. Portanto, as histórias com suas particularidades social e pessoal da educadora e religiosa Maria Fernanda Marabello, será construída a partir de depoimentos orais de testemunhas oculares que tiveram contato físico com a mesma, onde poderemos analisar suas práticas educativas e relacionando-as com a sua história de vida pessoal e social no recorte histórico por nós proposto para esta pesquisa. O cotidiano vivido e vivenciado por esses sujeitos históricos, será um dos nossos principais instrumentos de análise.

Damião Fernandes

Damião Fernandes

Damião Fernandes. Poeta. Escritor e Professor Universitário. Graduado em Filosofia. Pós Graduado em Filosofia da Educação. Mestre e Doutorando em Educação pela (UFPB). Autor do livro: COISAS COMUNS: o sagrado que abriga dentro. (Penalux, 2014).

Contato: damiaofernandes.cz@hotmail.com

VÍDEO: Psicologia no Ar recebe diretores e psicóloga de organização que promove cidadania em Cajazeiras

NOVIDADES

Xeque-Mate visita lançamento do novo plano da Eletrosorte, que firmou parceria com gigante dos seguros

FUTEBOL DE CAJAZEIRAS

VÍDEO: Dirigentes e ex-jogadores relembram histórias marcantes do Duque de Caxias, que completou 50 anos

VÍDEO: Programa de rádio que é sucesso na região de Campina fecha parceria com emissora de Cajazeiras

Damião Fernandes

Damião Fernandes

Damião Fernandes. Poeta. Escritor e Professor Universitário. Graduado em Filosofia. Pós Graduado em Filosofia da Educação. Mestre e Doutorando em Educação pela (UFPB). Autor do livro: COISAS COMUNS: o sagrado que abriga dentro. (Penalux, 2014).

Contato: damiaofernandes.cz@hotmail.com