header top bar

Gildemar Pontes

section content

Lula contra Lula

11/02/2019 às 08h21

Coluna de Gildemar Pontes

É fácil meter o pau em Ciro. Ele é destemperado, pavio curto, explosivo… está na cara, basta provocar. Mas é difícil falar do Lula. Não do Lula presidente bolsa família, do Lula dos pobres. É extremamente difícil falar do Lula dos ricos. Dos ricos que traem e abandonam.

Com sete meses do seu primeiro governo, escrevi um artigo falando da incoerência do Lula, ao se dirigir aos manifestantes que lutavam contra as reformas do Lula. Os manifestantes quebraram acidentalmente uma porta de vidro e foram chamados de baderneiros. Os companheiros que lutavam por direitos. Que é isso companheiro?

O tempo foi passando e eu comecei a estudar os planos e estratégias do governo Lula e suas aproximações com o poder econômico. Enquanto lula se unia ao grande capital, afastava Heloísa Helena, Luciana Genro, Ivan Valente, Chico Alencar, João Alfredo… e outros bravos defensores do PT que foram expulsos por manterem a coerência que o Lula perdeu. E os acordos com a elite trouxe para dentro do governo os Sarney, Barbalho, Maluf, Renan… pelas mãos do presidente dos pobres. Estava se criando uma ilusão e um circo que dava migalhas para a maioria e doses generosas de fortuna para a elite.

Para eleger Dilma, Lula e a cúpula do PT recorreram à força de Michel Temer dentro do PMDB. Essas escolhas eram o fim de uma aproximação da verdadeira esquerda e dos ideais dos resistentes petistas de fundação. Isso também afastou Ciro Gomes e sua expertise necessária para ilustrar a esquerda oba-oba. Como o PT se tornou governista e abandonou as pautas da sua fundação pelo poder puro e simples, o lado podre da política arruinou alguns bem intencionados militantes sociais. Vendeu-se a ideia de governabilidade como forma de manutenção do poder a qualquer custo. E assim foram se misturando projetos com gerentes corruptos, entregando fatias de poder aos partidos e políticos sanguessugas. Deu no que deu. Golpe. Prisão do Lula e eleição de um boneco de ventríloquo. “Com o STF e tudo”, como disse um corrupto de plantão.

Mas esse jogo poderia ter sido virado ou tido um final diferente. Bastava o Lula ter fugido quando foi decretada a prisão dele e ele se entregou. Imaginava, o ex-presidente, que a força do seu carisma seria suficiente para comover a nação e eleger um seu escolhido, ainda que soubéssemos que a ilusão de que ele seria liberado para se candidatar fosse somente uma ilusão mantida pelo PT para colocar Lula em evidência. Não deu certo, Lula não se tornou mártir nem foi levado pelos braços do povo. Talvez tenha sobrado aí um pouco de megalomania típica dos líderes populistas.

Era para o Lula ter vazado, já que sua prisão era política. Ali, do ABC repleto de gente, era para ele ter fugido para o Uruguai e depois pedido asilo em algum país europeu que desse vitrine ao que estava ocorrendo no Brasil. Se tivesse feito isso, teria influenciado na eleição e poderia ter evitado o desastre do governo atual. Faltou a Lula discernimento e pragmatismo político. Dos candidatos em disputa na corrida presidencial, Ciro tinha em torno de 8% e teria crescido formando um novo jogo no xadrez político. Mas o presidente, no alto do seu isolamento forçado, programado e controlado pela elite que deu o golpe, preferiu dar as costas para uma opção menos traumática. Restou a nós, espectadores deste circo, voltarmos para as redes sociais e bradarmos contra a insanidade, esquecendo que somos cúmplices e omissos, quando permitimos a governabilidade com os párias da nação.
Enquanto isso, os insanos continuam atirando com arminhas de mãos vazias. E repetindo mensagens de Whatsap.

Gildemar Pontes

Gildemar Pontes

Escritor, Poeta. Ensaísta e Professor de Literatura da UFCG. Editor da Revista Acauã e das Edições Acauã. Tem 18 livros publicados. É traduzido para o espanhol e publicado em Cuba nas Revistas Bohemia e Antenas. Ministra Cursos, Palestras, Oficinas, Comunicações em Eventos nacionais e internacionais. Faixa Preta de Karate Shotokan 2º Dan. Presidente da Federação de Karate Marcial Interestilos da Paraíba.

Contato: gilpoeta@yahoo.it

Recomendado para você pelo google

SONHO REALIZADO

VÍDEO/FOTOS: Prefeitura de Cajazeiras realiza sorteio de 300 apartamentos e evento é marcado pela emoção

MUITA ÁGUA!

A MAIOR DA HISTÓRIA: ruas e avenidas em Sousa viram rios após fortes chuvas durante a madrugada. Veja!

SERTÃO EM DESTAQUE

VÍDEO: Com cajazeirense na vice-presidência, Paulo Maia toma posse para comandar OAB Paraíba até 2021

MODELOS DE SUCESSO

VÍDEO: Empresários do Pará interessados em implantar TV A CABO visitam Netline e TV Diário do Sertão

Gildemar Pontes

Gildemar Pontes

Escritor, Poeta. Ensaísta e Professor de Literatura da UFCG. Editor da Revista Acauã e das Edições Acauã. Tem 18 livros publicados. É traduzido para o espanhol e publicado em Cuba nas Revistas Bohemia e Antenas. Ministra Cursos, Palestras, Oficinas, Comunicações em Eventos nacionais e internacionais. Faixa Preta de Karate Shotokan 2º Dan. Presidente da Federação de Karate Marcial Interestilos da Paraíba.

Contato: gilpoeta@yahoo.it