header top bar

Francisco Cartaxo

section content

Miséria exposta nas ruas

06/12/2021 às 18h34 • atualizado em 06/12/2021 às 18h36

Coluna de Francisco Frassales Cartaxo. (Imagem ilustrativa - reprodução/internet).

Por Francisco Frassales Cartaxo

Mês passado estive no Rio de Janeiro, levado por solidariedade familiar. Minha esposa perdeu alguns parentes, pelos lados paterno e materno. Outros continuam a merecer cuidados. A viagem teve o objetivo de ficar junto das pessoas. Aproveitamos, também, para rever ou conhecer parentes meus, por exemplo, Nestor Rolim e o filho mais novo de Ivan, Paulo Bichara. Reencontrei, claro, o confrade da ACAL, Guilherme Sargentelli.

Uma coisa me chocou no Rio: a quantidade de moradores de rua. Em Copacabana, fazia dó observar famílias inteiras, humanos e bichos em grupo ou isolados nas largas calçadas do bairro famoso. Em dezenas de quarteirões encontrei as mesmas cenas. Variavam apenas os personagens. Às vezes, era uma mãe com o filho escanchado no peito, a sugar o leite da vida. Vi gente solidária a distribuir, quentinha, pão, água, refrigerante.

Isso só acontece em Copacabana? Não, não, me diziam, Botafogo, Flamengo, Glória, Catete, no centro do Rio. Em Ipanema, eu pude conferir, havia poucos moradores no quase relento do abrigo de marquises, sobre papelão, cobertos de retalhos de panos.

Essa situação é nova aqui no Rio? Vem de longe, mas com a pandemia piorou muito. Tal observação era unânime entre taxistas, motoristas de UBER, gente amiga ou não. A maioria das pessoas abordadas dava a mesma explicação: falta de trabalho, agravado pela pandemia. Ora, a milícia não perdoa, doutor, sem ter condições de pagar… rua. As largas calçadas de bairros, outrora cantados em versa e prosa, agora, vivem esse flagelado. Lembrei-me da infância, em Cajazeiras. Morador de rua é igual a retirante da seca: não assalta. Estende a mão.

O quadro, que me chocou no Rio, é lamentável, mas está longe de ser peculiaridade da cidade maravilhosa. Figura em todas as partes. São Paulo não fica atrás. E a televisão escancara a miséria exposta nas ruas.

Por que tanta miséria?

A natureza de nosso sistema, que embute as desigualdades sociais como a mais perversa consequência. Em tempo de bonança desenvolvimentista a crueza dramática ainda se disfarça. Chega a esconder-se em pequenas fatias de renda, transferidas por mecanismos oficiais criados e mantidos por gestores públicos sensíveis à fome e à miséria dos desvalidos. Migalhas que dão a sensação de cidadania, apesar de frágeis. Mesmo assim, vistas com desdém por boa parcela da população. E pelos homens do poder, hoje, mais do nunca.

Presidente da Academia Cajazeirense de Artes e Letras – ACAL

Francisco Cartaxo

Francisco Cartaxo

Francisco Sales Cartaxo Rolim foi secretário de planejamento do governo de Ivan Bichara, secretário-adjunto da fazenda de Pernambuco – governo de Miguel Arraes. É escritor, filiado à UBE/PE e membro-fundador da Academia Cajazeirense de Artes e Letras – ACAL. Autor de, entre outros livros, Guerra ao fanatismo: a diocese de Cajazeiras no cerco ao padre Cícero.

Contato: cartaxorolim@gmail.com

MARIA DA PENHA

VÍDEO: Homem espanca mulher e em seguida é preso em um bar na zona rural de Pombal

SAIU NA FRENTE

VÍDEO: Sousa vence o CSA na estreia da Copa do Nordeste 2022 e divide liderança do grupo

ÁGUA PARA CONSUMO

VÍDEO: Primeira válvula dispersora do Açude de São Gonçalo é testada com sucesso pelo DNOCS

DINHEIRO NO BOLSO

VÍDEO: Bilhete Social Doação da Sorte realiza mais um sorteio; confira o número e os ganhadores

Francisco Cartaxo

Francisco Cartaxo

Francisco Sales Cartaxo Rolim foi secretário de planejamento do governo de Ivan Bichara, secretário-adjunto da fazenda de Pernambuco – governo de Miguel Arraes. É escritor, filiado à UBE/PE e membro-fundador da Academia Cajazeirense de Artes e Letras – ACAL. Autor de, entre outros livros, Guerra ao fanatismo: a diocese de Cajazeiras no cerco ao padre Cícero.

Contato: cartaxorolim@gmail.com

Recomendado pelo Google: