header top bar

Francisco Cartaxo

section content

O calendário não interrompe os sonhos

06/01/2020 às 06h54

Coluna de Francisco Cartaxo

Engraçado, o ano de 2020 começa no meio da semana. Quarta-feira. Justo no meio. Quando eu era criança, estranhava essa história de um ano novo não ter início no domingo. Ora, o domingo era o mais importante dos sete dias da semana. Por quê? No domingo as pessoas vestiam as melhores roupas, bem lavadas e engomadas. Limpinhas! Sapatos engraxados. Cabelo penteado, unhas cortadas.
Os adultos assumiam ares solenes. As crianças imitavam os mais velhos. E todos iam para a igreja na hora da missa, o sino badalando avisos intermitentes, primeira chamada, segunda chamada… O domingo, o grande dia!

Agora faço uma confissão.
Certa manhã de domingo, quando eu usava calça curta, encontrei a família de Zuca da bodega, que também voltava da missa. Notei tristeza no seu jeito. Na minha cabeça infante a tristeza dele vinha de não puder abrir sua venda no domingo. No sábado, dia feira, ah, no sábado, a bodega se enchia de gente, que comprava, proseava, jogava conversa fora. E cuspia no chão, quando o freguês tomava uma lapada de cachaça. Presenciei essas cenas que, ainda hoje, acendem na memória. Por isso, desconfio que, para seu Zuca, o sábado, e não o domingo, era o grande dia. Eu não dizia isso a ninguém. Só pensava. Sei lá, podia ser pecado. Ora, com menos de seis anos de idade, ensinaram-me que se pecava por pensamento, palavras e obras. Tolice de criança, igual a besteira de achar que todo ano novo deveria começar no domingo.

Celso Furtado, depois de viver muitos anos, fez esta reflexão: O início de um ano novo sempre me deixava algo desorientado como se se tratasse de uma ruptura real do tempo. É que eu me punha a fazer um balanço do que o ano que findava significara realmente para mim. Ora, o tempo não é mais do que uma ilusão criada pela implacabilidade dos processos vitais. O que é real é o presente, e este está fora do tempo.

Se isso é verdade, o melhor é manter os sonhos do ano anterior. Não para fugir da realidade, nestes tempos de extremas incertezas, mas para fortalecer a luta até a conquista final. Nada de querer escamotear de nossas vidas o ruim ou o péssimo, só porque a folhinha do calendário pulou de dezembro para janeiro, indiferente ao sol, à lua, às nuvens ou às contas a pagar! E essa história de que hoje é um novo dia de um novo tempo que começou… seria enganação da Globo? Talvez. O fato é que cantamos e dançamos, cheios de esperança feito artista de televisão! Até mesmo quem não gostam da Globo!

Agora que a musiquinha saiu do ar, é tempo desejar que o inverno venha com força que nem no réveillon; que os assaltantes de rua e os de colarinho branco sejam, igualmente, punidos; que a Justiça deixe de tergiversar e obrigue os criminosos a pagarem pelos delitos praticados; que as eleições municipais sejam disputadas sem roubo, baixarias e sacanagens; que o eleitor leve a sério seu direito de votar. E, sobretudo, que cada um engate seu caminho em 2020.

A Academia Cajazeirense de Artes e Letras já engatou o seu. Falta aprumar melhor o rumo. Até maio, teremos o primeiro número da Revista da ACAL, a reforma do Regimento Interno, o Edital de inscrição de futuros membros. Quem sabe, a ACAL arranje um lugar definitivo, cercada de vizinhos afins, para bem desempenhar seu notável papel de instituição criada, ano passado, a fim de ajudar a impulsionar a cultura e preservar a histórica riqueza artística e literária de nossa Cajazeiras.
Cajazeirense residente no Recife. cartaxorolim@gmail.com

Francisco Cartaxo

Francisco Cartaxo

Francisco Sales Cartaxo Rolim foi secretário de planejamento do governo de Ivan Bichara, secretário-adjunto da fazenda de Pernambuco – governo de Miguel Arraes. É escritor, filiado à UBE/PE e membro-fundador da Academia Cajazeirense de Artes e Letras – ACAL. Autor de, entre outros livros, Guerra ao fanatismo: a diocese de Cajazeiras no cerco ao padre Cícero.

Contato: cartaxorolim@gmail.com

33º ÓBITO

VÍDEO: Resultado do teste do corretor de imóveis que faleceu em Cajazeiras deu positivo para Covid-19

SUPERAÇÃO

VÍDEO: menino que nasceu sem braços e pernas emociona ao falar sobre sua história de vida

MAIS UMA OPÇÃO

VÍDEO: Wilson Filho diz que governador ‘olha com carinho’ para sua pré-candidatura a prefeito de JP

PARCERIA NÃO-ELEITORAL

VÍDEO: Pré-candidato aliado do Estado reconhece que governador vai apoiar seu adversário em São João

Francisco Cartaxo

Francisco Cartaxo

Francisco Sales Cartaxo Rolim foi secretário de planejamento do governo de Ivan Bichara, secretário-adjunto da fazenda de Pernambuco – governo de Miguel Arraes. É escritor, filiado à UBE/PE e membro-fundador da Academia Cajazeirense de Artes e Letras – ACAL. Autor de, entre outros livros, Guerra ao fanatismo: a diocese de Cajazeiras no cerco ao padre Cícero.

Contato: cartaxorolim@gmail.com

Recomendado pelo Google:
error: Alerta: Conteudo Protegido !!