header top bar

Francisco Cartaxo

section content

O carro do ovo em tempo de Páscoa

03/04/2021 às 16h05 • atualizado em 03/04/2021 às 16h07

O carro do ovo

Por Francisco Frassales Cartaxo

Lá vem ele. Ainda distante, já escuto o som fanhoso. Quando se aproxima de minha rua, aí sim distingo: trinta ovos por dezesseis reais, uma bandeja com trinta ovos por dezesseis reais. Ou então: dezoito ovos por dez reais. E segue, repetindo a oferta, variando, a cada dia, apenas o preço e a quantidade de ovos expostos à venda. Ovo de galinha, de verdade, e não ovos de Páscoa. Estes inundam gôndolas dos supermercados, nesta época, menos do que em anos anteriores. Ovos de todos os formatos e tamanhos, em atraentes e coloridas embalagens. Para todas as situações do bolso, da bolsa, do limite do cartão de crédito. Destes ovos não quero falar. Apenas lembrar que este ano – de mortífera pandemia, com hospitais e cemitérios lotados de milhares de vítimas, de milhões de famílias desorganizadas, com finanças muito mais precárias – quero dizer que este ano aumentou, enormemente, a produção caseira de ovos de Páscoa. Um pequeno alento em meio às devastadoras consequências da covid-19.

O carro do ovo está em todos os lugares. No Nordeste bem mais, imagino. O “carro” pode ser uma moto ou uma bicicleta. Nunca vi carroça de ovo, mas deve existir em rincões mais remotos do que Cajazeiras, onde, me disse Christiano Moura, ainda não circula no sacolejo do passo do jumento. Não pense o leitor que a “invasão” do carro do ovo foi iniciativa genial de empreendedor isolado cheio de criatividade. Nada disso. Não pesquisei, mas é possível que tenha surgido em função de superprodução de ovos, aqui no Nordeste, região que concentra a maior produção de ovos e frangos. Do contrário, o carro do ovo não teria nascido feito cogumelo em tempo de chuva.

Uma bandeja com trinta ovos por dezesseis reais, dezoito ovos por dez reais. O som, meio rouco e cantante da gravação, chega a meus ouvidos com uma tradução bem diferente, suave e familiar: Frassales, vá no chiqueiro pegar os ovos. A voz de minha mãe! Límpida. Determinada. Você ouviu as galinhas cantarem? A voz de minha mãe! Uma ordem como quem faz um carinho. É isso que escuto. E sinto sair do fundo da memória a voz clara de minha mãe, quando ouço o carro do ovo passar na minha rua espalhando o som fanhoso da gravação: dezoitos ovos por dez reais.

Feliz Páscoa!

Presidente da Academia Cajazeirense de Artes e Letras – ACAL

Francisco Cartaxo

Francisco Cartaxo

Francisco Sales Cartaxo Rolim foi secretário de planejamento do governo de Ivan Bichara, secretário-adjunto da fazenda de Pernambuco – governo de Miguel Arraes. É escritor, filiado à UBE/PE e membro-fundador da Academia Cajazeirense de Artes e Letras – ACAL. Autor de, entre outros livros, Guerra ao fanatismo: a diocese de Cajazeiras no cerco ao padre Cícero.

Contato: cartaxorolim@gmail.com

DE CORTAR O CORAÇÃO

VÍDEO: Égua, cega e abandonada cai por duas vezes no canal do Estreito e é resgatada por ONG em Sousa

EM CAJAZEIRAS

VÍDEO: Dráuzio Varella faz palestra em evento online da Faculdade Santa Maria e fala sobre a pandemia

PROTEÇÃO NECESSÁRIA

VÍDEO: Coronavac protege cerca de 80% do risco de morte, diz secretário executivo da Saúde da Paraíba

PARAÍBA

VÍDEO: Secretário executivo de Educação explica nova meta de alfabetização e fala em obras em Cajazeiras

Francisco Cartaxo

Francisco Cartaxo

Francisco Sales Cartaxo Rolim foi secretário de planejamento do governo de Ivan Bichara, secretário-adjunto da fazenda de Pernambuco – governo de Miguel Arraes. É escritor, filiado à UBE/PE e membro-fundador da Academia Cajazeirense de Artes e Letras – ACAL. Autor de, entre outros livros, Guerra ao fanatismo: a diocese de Cajazeiras no cerco ao padre Cícero.

Contato: cartaxorolim@gmail.com

Recomendado pelo Google:
error: Alerta: Conteudo Protegido !!