header top bar

Francisco Cartaxo

section content

O inspetor de quarteirão e o robô eleitoral

22/06/2020 às 08h08

Coluna de Francisco Cartaxo

O inspetor de quarteirão teve longa presença no Brasil. Fazia parte de um sistema que, no Império, tinha a cabeça na Corte e os outros membros na província e nos municípios. As peças chaves eram o chefe do Conselho, os ministros, o governador, o chefe de polícia, o juiz, o delegado, o subdelegado e no fim da linha o inspetor de quarteirão. Esse sistema se apoiava em três pilares: a justiça, o fisco e a polícia. Magistrados, juiz de paz eleito, delegado, subdelegado e inspetor de quarteirão operavam em favor da facção política majoritária. Os de cima mandavam, os demais amargavam o ostracismo.

Com pequenas variações esse esquema vigorou também na República Velha. O inspetor de quarteirão, aliás, ainda sobreviveu, maquiado, até o final do século XX. O governador biônico de São Paulo, Paulo Egydio, em decreto de 1975, reorganizou “a função de inspetor-de-quarteirão”, tornando-a gratuita e conservando esta tarefa: avisar a autoridade constituída quanto à conduta das pessoas e às malfeitorias ocorrentes no quarteirão. Nostalgia histórica, quem sabe, do coronel Erasmo Dias, um controverso personagem da ditadura militar de 1964, que assina o decreto. De degrau em degrau, o inspetor de quarteirão findou no folclórico Cabo Tenório, imortal forró de Rosil Cavalcanti.

No Brasil rural do Império, o quarteirão era um conjunto de fazendas, engenhos, sítios e roças. Ali, no meio de uma população de analfabetos, o inspetor de quarteirão sabia ler. Era um rei! E manejava bem o bacamarte, a espingarda, a peixeira, o punhal, a corda e o cacete.

O inspetor de quarteirão fazia o quê?

Ameaçada ou aconselhava. Protegia ou batia. Denunciava ou escondia. Prendia ou soltava. Muitas vezes surrava. Baixava o cacete. Poucas vezes matava. Enfim, casava e batizava. Tudo ia depender do lado do interlocutor. Em dia de eleição, o trabalho do inspetor de quarteirão era indispensável. Com cabras armados, ele arrebanhava os partidários da facção no poder, enquanto impedia, muitas vezes pela força, a presença dos adversários nos locais de votação. Era assim um exímio mobilizador de bois para o espetáculo farsante da eleição! Eleição que começava com a missa na igreja, onde se dava a pleito, que, mais tarde era narrada no papel, com relações de votantes e eleitores, votos válidos e votos nulos, de conformidade com o costume e a lei. Tudo registrado na ata. Na famosa ata falsa, da eleição a bico-de-pena, que mandava para o Congresso parlamentares que garantiam as maiorias legislativas do partido governante.

Hoje o quarteirão é uma nonada.

O mundo mudou. A tecnologia domina a comunicação instantânea, o fato transmitido ao vivo para o universo. O planeta cabe no celular. O voto eletrônico sofisticado e fácil. O inspetor de quarteirão entrou no museu. Cedeu lugar a intrincados softwares que, em minutos, espalham fake news nas redes sociais. Ao invés da presença acintosa de capangas armados, a ameaçar, bater, prender, surrar ferir e matar, o terrível mundo novo usa, à sorrelfa, armas destruidoras da reputação das pessoas. Pouco importam os fatos. Cuida-se de manter a tensão nas redes sociais, ambiente propício às mensagens falsas, lançadas por destruidores de reputação. Cada época com sua tecnologia. Ontem, o inspetor de quarteirão armava a cena para forjar atas falsas. Hoje, escondidos em gabinetes, figuras invisíveis acionam robôs do mal para “fabricar” vencedores. O bacamarte virou robô eleitoral.
Presidente da Academia Cajazeirense de Artes e Letras – ACAL

Francisco Cartaxo

Francisco Cartaxo

Francisco Sales Cartaxo Rolim foi secretário de planejamento do governo de Ivan Bichara, secretário-adjunto da fazenda de Pernambuco – governo de Miguel Arraes. É escritor, filiado à UBE/PE e membro-fundador da Academia Cajazeirense de Artes e Letras – ACAL. Autor de, entre outros livros, Guerra ao fanatismo: a diocese de Cajazeiras no cerco ao padre Cícero.

Contato: cartaxorolim@gmail.com

CRISE

VÍDEO: Ser bem-sucedido financeiramente faz diferença no casamento, avalia terapeuta

BARRACO E AGRESSÕES

VÍDEO: Radialista conta a versão do grupo de situação sobre pancadaria entre candidatos em Bom Jesus

ELEIÇÕES EM SOUSA

VÍDEO: Entenda as acusações da coligação ‘Sousa Grande’ que pede a impugnação da candidatura de Tyrone

olho vivo

Falta de deputado federal do Sertão causa atraso para construção do HU na região, vê presidente da CDL

Francisco Cartaxo

Francisco Cartaxo

Francisco Sales Cartaxo Rolim foi secretário de planejamento do governo de Ivan Bichara, secretário-adjunto da fazenda de Pernambuco – governo de Miguel Arraes. É escritor, filiado à UBE/PE e membro-fundador da Academia Cajazeirense de Artes e Letras – ACAL. Autor de, entre outros livros, Guerra ao fanatismo: a diocese de Cajazeiras no cerco ao padre Cícero.

Contato: cartaxorolim@gmail.com

Recomendado pelo Google:
error: Alerta: Conteudo Protegido !!