header top bar

Francisco Cartaxo

section content

O segredo de Rosilda Cartaxo Dantas

26/07/2021 às 19h37

Coluna de Francisco Cartaxo.

Por Francisco Frassales Cartaxo

A infância e a adolescência de Rosilda foram vividas em época conturbada da realidade econômica, social e política da Paraíba. Tempo do cangaço de Lampião, de grandes secas, de lutas partidárias, de rebeldias sociais e políticas, do assassinato do presidente João Pessoa e da revolução de 30. E mais, ela cresceu ouvindo narrativas de tragédias antigas dos Dantas e Rothéa e dos Cartaxo. Ao lado do pai, sofreu por ser “perrepista”. Mas isso fica para outra ocasião.

Agora quero falar de amor e paixão. Começo citando lembranças de Rosilda, registradas no livro autobiográfico Uma Rosa me contou…, publicado, em 2018, por Edna Marlowa Cartaxo Braga.

O amor adormecera na saudade do primo distante, mas ele sempre povoava meus sonhos. Crianças que fomos, adolescentes que amavam. (…).Não maldigo as horas em que nele pensei, mesmo com a certeza de perdê-lo. E pensando nele, eu não o perdi para a “outra”; perdi-o para a morte. Foi no carnaval, por isso não gosto deste evento! No Rio de Janeiro, Pepé morreu sem dizer adeus. O seu destino estava ligado à outra que a família determinara.

Esclareço o mistério.

O primo era Péricles (Pepé), filho de Cecília Matos e Adriano Brocos. (Não confundir com o sobrinho, homônimo, filho de Ica, também apelidado de Pepé). A mãe de Rosilda, Maria Cartaxo Dantas, era irmã de dona Sinhazinha – Maria Idalina Matos Cartaxo, esposa do coronel Joaquim Matos, em cujo casarão, Rosilda veio residir a fim de estudar no Colégio Padre Rolim. Portanto, Rosilda era sobrinha-afim do empresário mais rico de Cajazeiras, industrial progressista, eleito prefeito pelo voto direto em 1935.

Embora de famílias tradicionais, Rosilda era pobre. Vivia em São João do Rio do Peixe. A avó e a mãe de Pepé não viam com bons olhos aquele chamego entre os primos, as longas conversas, passeios, mão na mão, os olhares cúmplices. Elas queriam outro casamento para Péricles, que chegara do Rio, quando Rosilda já residia no casarão dos Matos… Resultado: o jovem foi mandado de volta para o Rio… Vazio ficou o coração da lourinha magra, irrequieta, inteligente.

Rosilda jamais esqueceu Péricles.

Muitos anos depois foi visitar o túmulo, no Rio, onde, certo dia, Pepé descera emudecido e deixara cá, na terra, certas interrogações: morte natural ou premeditada? Silêncio. Quando nossas mãos se apertaram no derradeiro encontro, tinham o significado maior de ser o adeus da eternidade.

P S – Péricles Matos morreu de modo trágico no Rio, em 1952.

Presidente da Academia Cajazeirense de Artes e Letras – ACAL

Francisco Cartaxo

Francisco Cartaxo

Francisco Sales Cartaxo Rolim foi secretário de planejamento do governo de Ivan Bichara, secretário-adjunto da fazenda de Pernambuco – governo de Miguel Arraes. É escritor, filiado à UBE/PE e membro-fundador da Academia Cajazeirense de Artes e Letras – ACAL. Autor de, entre outros livros, Guerra ao fanatismo: a diocese de Cajazeiras no cerco ao padre Cícero.

Contato: cartaxorolim@gmail.com

BANDIDAGEM

VÍDEO: Dupla realiza assalto em Coremas e um deles é preso planejando outro roubo na região de Pombal

A CASA CAIU

VÍDEO: Terceira pessoa é presa na Operação Pega Ladrão, da Polícia Civil, em Cajazeiras

ASSASSINATO

VÍDEO: Homem é morto com vários disparos de arma de fogo em via pública de cidade da região de Pombal

SETEMBRO VERDE

VÍDEO: Grupo da Central de Transplantes da PB inicia Campanha no Sertão e fala ao Balanço Diário

Francisco Cartaxo

Francisco Cartaxo

Francisco Sales Cartaxo Rolim foi secretário de planejamento do governo de Ivan Bichara, secretário-adjunto da fazenda de Pernambuco – governo de Miguel Arraes. É escritor, filiado à UBE/PE e membro-fundador da Academia Cajazeirense de Artes e Letras – ACAL. Autor de, entre outros livros, Guerra ao fanatismo: a diocese de Cajazeiras no cerco ao padre Cícero.

Contato: cartaxorolim@gmail.com

Recomendado pelo Google: