header top bar

Francisco Cartaxo

section content

O voo da guará vermelha

22/11/2021 às 19h04

Coluna de Francisco Frassales Cartaxo.

Por Francisco Frassales Cartaxo

Peão da construção civil, carregado de angústia, num domingo à tarde, bate pernas pela cidade grande e encontra uma desolada prostituta, ansiosa por grana para remeter à velha de “braços encarquilhados”, que cuida do filho. Assim, num encontro à toa de dois excluídos, começa O voo da guará vermelha, de Maria Valéria Rezende. A partir daí, desenvolve-se singela história de amor entre Irene, já marcada pela aids, e Rosálio, trabalhador saído dos grotões em busca de sonhos. Aprender a ler é um deles.

Num prostíbulo decadente se entrelaçam vozes e corpos dos dois personagens principais. O protagonista, quase sempre, conduz a narrativa. Nascido em um ponto qualquer do sertão, Rosálio percorre veredas, encara a sujeição do trabalho escravo, o submundo do garimpo, o corte da cana-de-açúcar, a dureza de acampamento dos sem-terra e da construção civil.

Rosálio vai revelando sua vida, em colóquios com Irene (que nos seus devaneios confunde Rosálio com Romualdo, um amor juvenil), na medida em que leitor é distraído por “histórias de homens valentes que combatiam dragões, assim como Dom Quixote da história que lhe falei, romances de belas damas que aprendeu dos cantadores que ouvia cantar na feira”, como fala um personagem circunstancial.

O ritmo das vozes assemelha-se ao dos folhetos de cordel. Trechos e mais trechos nos dão a sensação de ouvir Patativa do Assaré declamar seus poemas. Ou escutar um cordelista de feira contar histórias fantásticas. Recurso ficcional de enorme efeito sedutor. Se o leitor é sertanejo, então, ele amolece o coração, se deixa mergulhar em sua própria alma e viaja ao passado. O desfecho da história confirma e expande essa emoção.

O narrador oculto interfere de modo sorrateiro, trazendo para junto dele os personagens, a ponto as vozes confundirem-se na mesma simplicidade narrativa. Técnica nem sempre explorada com o sucesso alcançado por Valéria Rezende, no que, aliás, lembra a fórmula aplicada por Lygia Fagundes Telles no conto Pomba enamorada ou uma história de amor.

O Voo da guará vermelha é figuração do Brasil real, da violência do trabalho escravo, das barracas de lona dos sem-terra, do esforço físico até a morte na palha da cana. Brasil cruel. Tal qual a vida de uma prostituta aidética e um trabalhador analfabeto que, no final do romance, se contorce para agarrar-se ao sonho de menino nascido nos confins do mundo.

Presidente da Academia Cajazeirense de Artes e Letras – ACAL

Francisco Cartaxo

Francisco Cartaxo

Francisco Sales Cartaxo Rolim foi secretário de planejamento do governo de Ivan Bichara, secretário-adjunto da fazenda de Pernambuco – governo de Miguel Arraes. É escritor, filiado à UBE/PE e membro-fundador da Academia Cajazeirense de Artes e Letras – ACAL. Autor de, entre outros livros, Guerra ao fanatismo: a diocese de Cajazeiras no cerco ao padre Cícero.

Contato: cartaxorolim@gmail.com

INTERNET

VÍDEO: Pesquisadora expert no mundo digital alerta empreendedores sobre segurança cibernética

FATALIDADE

VÍDEO: Sepultamento de jovem que morreu de descarga elétrica é marcado por muita comoção em Cajazeiras

ARREPENDIDO?

VÍDEO: Bolsonaro diz que não sabe ‘onde estava com a cabeça’ quando decidiu ser candidato a presidente

OPINIÃO

VÍDEO: “Parece que existe uma força-tarefa em Brasília para que Lula seja candidato”, diz advogado

Francisco Cartaxo

Francisco Cartaxo

Francisco Sales Cartaxo Rolim foi secretário de planejamento do governo de Ivan Bichara, secretário-adjunto da fazenda de Pernambuco – governo de Miguel Arraes. É escritor, filiado à UBE/PE e membro-fundador da Academia Cajazeirense de Artes e Letras – ACAL. Autor de, entre outros livros, Guerra ao fanatismo: a diocese de Cajazeiras no cerco ao padre Cícero.

Contato: cartaxorolim@gmail.com

Recomendado pelo Google: