header top bar

Francisco Cartaxo

section content

Tortura e morte no Rio do Peixe

21/12/2021 às 17h08 • atualizado em 21/12/2021 às 17h18

Coluna de Francisco Frassales Cartaxo.

Por Francisco Frassales Cartaxo

O escravo Miguel, fujão, preguiçoso e ladrão, levou mais uma grande surra, com um xiquerador de relho cru que tinha um nó na ponta, aplicada a mando de seus donos pelo escravo Francisco. Apanhou muitas vezes, com grilhões nos pés, até no trabalho. Um dia, o escravo Francisco usara toda a sua força, deixando Miguel no chão todo ensanguentado. A senhora ordenou: botem sal pisado nas feridas. Mesmo assim foi trabalhar sob chicotadas do senhor. De volta da roça, com sede, bebeu a própria urina. A agonia durou quatro dias até a morte.

O que narro não é fantasia.

Foi extraído do Processo-crime: morte do escravo Miguel e ferimentos graves na pessoa da escrava Lúcia, aberto, em 1881, em São João do Rio do Peixe. Assim está no livro Senhores e escravos do sertão da Paraíba (1850-1888), de Wlisses Estrela.

Quem eram os réus? Dr. Francisco José de Sousa e sua esposa, Ana Jusselina de Morais, e os escravos, Francisco e Maria. Dr. Sousa, dono das fazendas Livramento e Recreio, era advogado, formado no Recife, em 1867, foi promotor e juiz municipal. Casara com a viúva do rico fazendeiro, Antônio Leite de Morais.

E o juiz do feito?

Manuel Marques Mariz (pai de Celso Mariz e filho do padre José Antônio Marques da Silva Guimarães, chefe do Partido Liberal de Sousa). O juiz municipal conduzia o inquérito, mas o julgamento cabia ao juiz de direito, no caso, Manoel Barata de Oliveira, que presidiu o primeiro júri em 1882, comarca de Sousa. O processo andou entre o sertão e o Tribunal da Relação, no Recife, com absolvições e apelações. Até o juiz de direito de Cajazeiras, Henrique Hardman, aparece para absolver os réus. Inconformado, dr. Barata apela de novo. Depois de idas e vindas, já em março de 1888, outro juiz, Miguel Peixoto de Vasconcelos encerra o processo. Ninguém foi preso.

O foco no processo-crime é meu.

Wlisses Estrela tem outros objetivos em sua dissertação de mestrado. Um trabalho sério. Consultou livros de batismo, casamento e óbitos, inventários e outros documentos, atendendo as exigências do rigor acadêmico. Isso não cabe nesta crônica. Importa realçar a mexida nos costumes do regime escravocrata no sertão, aliás, de poucos escravos em confronto com regiões de lavouras de exportação. Nem por isso, irrelevantes para conhecer nosso passado, a fim de destrinchar as relações promíscuas entre senhores de terras/aparelho judiciário e policial/partidos políticos. Vale dizer, viajar nas entranhas do poder local.

Presidente da Academia Cajazeirense de Artes e Letras – ACAL

Francisco Cartaxo

Francisco Cartaxo

Francisco Sales Cartaxo Rolim foi secretário de planejamento do governo de Ivan Bichara, secretário-adjunto da fazenda de Pernambuco – governo de Miguel Arraes. É escritor, filiado à UBE/PE e membro-fundador da Academia Cajazeirense de Artes e Letras – ACAL. Autor de, entre outros livros, Guerra ao fanatismo: a diocese de Cajazeiras no cerco ao padre Cícero.

Contato: cartaxorolim@gmail.com

OPERAÇÃO INOCÊNCIA

VÍDEO: Homem é preso em Cajazeiras suspeito de abusar sexualmente de duas sobrinhas de 9 e 10 anos

FIQUE POR DENTRO

VÍDEO: Diário Esportivo debate sobre vitória do Campinense contra o Belo e empate do Sousa fora de casa

17 DE MAIO

VÍDEO: Repórter relata preconceito ao se assumir gay e vê LGBTQIA+ sendo ‘usados’ em debate eleitoral

FÉ CATÓLICA

VÍDEO: Bispo de Cajazeiras participa de Missa no túmulo de São Pedro, na Basílica do Vaticano, em Roma

Francisco Cartaxo

Francisco Cartaxo

Francisco Sales Cartaxo Rolim foi secretário de planejamento do governo de Ivan Bichara, secretário-adjunto da fazenda de Pernambuco – governo de Miguel Arraes. É escritor, filiado à UBE/PE e membro-fundador da Academia Cajazeirense de Artes e Letras – ACAL. Autor de, entre outros livros, Guerra ao fanatismo: a diocese de Cajazeiras no cerco ao padre Cícero.

Contato: cartaxorolim@gmail.com

Recomendado pelo Google: