header top bar

Raquel Alexandre

section content

Velório na Visão Espírita

09/05/2019 às 15h48 • atualizado em 09/05/2019 às 15h53

Um espírito pode acompanhar seu velório e enterro? Qual a visão espírita sobre velório? Será que ficamos sozinhos e desamparados após o desencarne ou no plano espiritual há um preparo para nos receber? Qual a importância da nossa maturidade espiritual no momento em que deixamos o corpo físico?

No momento em que se processa o evento conhecido como “morte”, ele se sucede o desligamento do organismo físico. De acordo com o Espiritismo a saída do espírito do corpo pode se dar pouco tempo após a morte biológica, como algumas horas ou até dias após a morte.

No momento do nosso nascimento a primeira coisa que os médicos fazem é cortar o nosso cordão umbilical para nos separarmos do corpo de nossa mãe. A mesma coisa acontece com a morte. Temos um cordão fluídico, um cordão que nos une ao corpo, que é cortado no momento do desenlace.

O fio fluídico está conosco durante toda a nossa vida carnal e no momento do sono o nosso espírito sai do corpo, mas fica ligado por esse cordão que nos deixa unidos ao nosso envoltório carnal. Somente no momento da morte, ele é cortado.

No momento da velório, as pessoas devem ficar em oração por aquele espírito que já partiu e vibrar positivamente por ele. Devemos sempre manter um ambiente psíquico saudável de esperança, fé na vida futura, orações, boas lembranças. As fofocas e os julgamentos que muitas vezes as pessoas fazem sobre aqueles que se foram também podem atrapalhar muito a passagem.

Alguns espíritos podem acompanhar o próprio velório, inclusive o próprio sepultamento, quando estão em dificuldades de fazer a passagem, podem ter sido pessoas mais materialistas, por isso a importância de termos sempre boas vibrações e orar muito para que o desencarnado siga o caminho da luz e da paz, isso depende muito dos amigos e familiares.

O ato de chorar é saudável para todos, inclusive para aquele que partiu, quando choramos com saudades e conformação com a morte. Entretanto, o choro desesperado e revoltado dificulta a passagem, pois ao chorar com desespero lançamos más vibrações sob aquele espírito que pode estar acompanhando o seu velório, sem saber o que está acontecendo (muitos nem sabem que ‘morreram’) ou de onde ele estiver pode estar sentindo as energias negativas, por isso, devemos sempre manter o equilíbrio mental.

Já os espíritos mais desapegados da matéria, aqueles que têm uma espiritualidade maior, têm uma facilidade maior de desprendimento e muitas vezes podem até no momento do velório consolar os familiares que estão desesperados, isso pode acontecer, mas é raro, pois estes são uma minoria.

Na maioria das vezes, os familiares que já se foram recebem a pessoa que partiu para o outro lado da vida, nunca estamos desamparado por Deus. Devemos sempre pensar na espiritualidade, na vida futura, ou seja, a vida não termina aonde a morte começa, para que assim não fiquemos tão atordoados ou confusos no momento da desencarne. Pense nisso. Vamos ser mais espiritualistas e menos materialistas? Maturidade espiritual sempre é muito importante!

E Lembre-se: A paz de quem partiu, muitas vezes, depende da paz de quem ficou.

LEIA TAMBÉM: O inferno são os outros?

Obs: Para maiores esclarecimento assista o vídeo com o estudioso André Marouço da TV Mundo Maior.

Créditos: https://www.youtube.com/watch?v=ISKYDfehrP4

Raquel Alexandre

Raquel Alexandre

É redatora do Portal Diário do Sertão e Formada em História pela UFCG de Cajazeiras.

Contato: raquelalexandre30demais@gmail.com

Recomendado para você pelo google

EM NOVEMBRO

VÍDEO: Fórum inédito do Governo do Estado discutirá perspectiva de emprego e renda em Cajazeiras

MUNICÍPIOS DISPUTAM CAMPUS

VÍDEO: Deputado lamenta ‘briga’ entre Itaporanga e Piancó pela UEPB e diz que a luta é do Vale do Piancó

PARA TUDO!

VÍDEO! Garis realizam greve e toneladas de lixo deixam de ser coletados na cidade de Patos

PROGRESSÃO DE PENA

VÍDEO: Presidente da OAB-PB diz que pedido do MP e recusa de Lula para semiaberto têm motivo político

Raquel Alexandre

Raquel Alexandre

É redatora do Portal Diário do Sertão e Formada em História pela UFCG de Cajazeiras.

Contato: raquelalexandre30demais@gmail.com