header top bar

section content

VÍDEO: Proprietário da rádio BR FM fala sobre o ato terrorista que causou incêndio

O suspeito de cometer o crime morreu nessa terça-feira (17). Ele foi atingido pela explosão e teve 80% do corpo queimado.

Por Juliana Santos

18/11/2020 às 17h57 • atualizado em 27/11/2020 às 08h51

Em entrevista ao programa Balanço Diário da TV Diário do sertão de Cajazeiras, no Sertão paraibano, nesta quarta-feira (18), o proprietário da Rádio BR FM, Saulo Póvoa falou sobre as investigações sobre o a explosão que causou o incêndio na sala de transmissores da rádio, localizada, na cidade de Alvorada, sul do Tocantins.

No dia 5 de novembro, por volta das 2h06 um homem invadiu a sala, logo depois houve uma explosão e em seguida, o suspeito saiu correndo, com o corpo em chamas. Vestígios da explosão foram encontrados na cena do crime, como retalhos de roupa, uma caixa de fósforos e uma pistola calibre 380.

De acordo com Saulo Póvoa, o Ministério Público Federal e a procuradoria regional eleitoral do Tocantins, entendem que o crime teve motivação política. “Logo pela manhã quando soube do atentado fui a Polícia Federal e falei com o delegado de plantão. Ele informou que para federalizar o caso, eu teria que acionar a procuradoria eleitoral e o Ministério Público e por meio de um advogado dei entrada no processo de investigação”, afirmou Saulo.

O caso ocorreu justamente na véspera de um debate entre os dois candidatos à prefeitura da cidade. Paulo Antônio (DEM), que conseguiu se reeleger com 61,80% dos votos válidos e o candidato derrotado Roberto Sampaio, do PSD.

Saulo falou também sobre os comentários que surgiram na cidade, de as pessoas que fazem parte da rádio estariam tentando incriminar o segurança do prefeito reeleito de Alvorada. “Fomos acusados de pegar o rapaz, embebedá-lo em um bar e que nós tínhamos ateado fogo nele para tentar incriminar lado A ou B. A nossa sorte foi que conseguimos recuperar as imagens das câmeras”, relatou.

A frequência da rádio chega a 19 municípios do sul do Tocantins. Na hora da explosão, a transmissão da rádio foi interrompida, mas a programação continuou sendo transmitida pela internet.

Em Alvorada, os ouvintes da BR FM voltaram a sintonizar a rádio que, por enquanto, funciona com um equipamento emprestado.

A polícia investiga um possível envolvimento de Hélio Ribeiro Figueiredo Júnior, de 32 anos, que foi atingido pela explosão e teve 80% do corpo queimado. Ele ficou 13 dias internado, mas morreu nessa terça-feira (17), no Hospital de Queimados do município de Anápolis, a 55 km de Goiânia. Hélio era diretor de meio ambiente da Prefeitura de Alvorada.

Recomendado pelo Google:
error: Alerta: Conteudo Protegido !!