header top bar

section content

População pode falar direto com agentes da polícia civil para ajudar nas investigações de roubos e furtos

A delegacia divulgou um número telefônico usado exclusivamente para desvendar os crimes, o número é: (83) 98170-0501. Não é preciso se identificar

Por Campelo - Diário do Sertão em Sousa

21/06/2016 às 14h00 • atualizado em 21/06/2016 às 15h22

A cidade de Sousa atualmente conta com uma estrutura da Polícia Civil específica para atuar na investigação dos crimes de furtos e roubos: a Delegacia de Furtos e Roubos que é coordenada pelo delegado Francisco Abrantes.

Em entrevista à reportagem do Portal e TV Online Diário do Sertão, o delegado afirmou que é de conhecimento da polícia civil a grande quantidade de roubos e furtos praticados na cidade, mas que o trabalho de investigação está sendo intensificado para buscar desvendar os crimes e prender os infratores.

Polícia x Sociedade
Os agentes da Delegacia de Furtos e Roubos pedem o apoio da população para conseguir informações que ajudem nas investigações dos assaltos ou furtos.

Para agilizar o contato entre a polícia e a sociedade, a delegacia divulgou um número telefônico usado exclusivamente para desvendar os crimes, o número é: (83) 98170-0501. Não é necessário se identificar para fazer as denúncias ou passar informações para os policiais.

“Nossa meta é ter uma cidade segura. Vamos mostrar para aqueles que enveredam pelo mundo do crime que a polícia está trabalhando e mais cedo ou mais tarde nós vamos prendê-los”, disse o delegado.

DIÁRIO DO SERTÃO

Recomendado para você pelo google

ACUSADO TEM 36 ANOS

VÍDEO: Delegado fala sobre prisão de professor acusado de estuprar alunas adolescentes em Cajazeiras

FOI APREENDIDO

VÍDEO: Adolescente de 16 anos confessa assassinato de paraibano de Santa Helena no estado do Mato Grosso

TRISTEZA

VÍDEO! Homenagens e aplausos marcam o último adeus a “Dão do karatê”, morto com três tiros em Sousa

DIRETO AO PONTO

VÍDEO: Advogado denuncia que Prefeitura de Patos desrespeita direitos dos autistas: ‘Dinheiro existe’