header top bar

section content

Mãe e filho são alvejados a tiros em Sousa; vítimas foram socorridas pelo SAMU e estão internadas no Hospital Regional. Veja!

A Polícia Militar foi acionada e está realizando diligências na tentativa de localizar e prender os acusados que fugiram do local. Veja!

Por Campelo - Diário do Sertão em Sousa

31/07/2016 às 14h26 • atualizado em 01/08/2016 às 09h14

Jovem foi alvejado a tiros e foi socorrido para o Hospital Regional de Sousa (Diário do Sertão)

Duas pessoas foram alvejadas a tiros por volta das 13:20h deste domingo (31) no conjunto Casas da CEHAP na cidade de Sousa.

De acordo com informações da polícia militar, dois homens de moto chegaram em frente a uma residência e efetuaram vários disparos que atingiram a doméstica Ednalda Gomes de Sousa Silva, 36 anos, e o filho identificado como Pablo Everton Gomes da Silva de 19 anos, mais conhecido como “Pablinho”.

As vítimas foram socorridas pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) até o Hospital Regional de Sousa (HRS) onde permanecem internadas recebendo atendimento médico. Pablo foi alvejado com quatro tiros que atingiram o tórax, perna esquerda, coxa direita e quadril. Já Ednalda foi atingida com um tiro pescoço.

A Polícia Militar foi acionada e está realizando diligências na tentativa de localizar e prender os acusados que fugiram do local após o crime.

Ficha criminal
Pablo Everton Gomes da Silva, tem várias passagens pela polícia pelos crimes de roubo em Sousa, mas recentemente tinha sido posto em liberdade pela justiça.

DIÁRIO DO SERTÃO

Recomendado para você pelo google

COBRA REAJUSTE DE 2018

VÍDEO: Sindicalista elogia Zé Aldemir por salário de professores, mas diz que felicidade é ‘entre aspas’

ANALISAR MELHOR FORMA

Presidente da OAB Nacional diz que irá discutir modelo legal para a questão do armamento no Brasil

PARTICIPE!

Retiro de Carnaval de Pombal recebe adesão de fiéis para a execução do maior evento religioso da cidade

SANTA MARIA

VÍDEO: Faculdade de Cajazeiras é contraponto a injustiças sociais e falta de ‘gentilezas’, diz diretora