header top bar

section content

Imeq realiza operação para verificar irregularidades nos táxis João Pessoa

As principais irregularidades que as operações têm constatado são as que causam prejuízo ao consumidor, como alteração no aro e no diâmetro do pneu após os taxistas terem recebido a certificação do órgão.

Por Priscila Belmont

10/08/2017 às 16h51

Foto: Alberi Pontes

Fiscais do Instituto de Metrologia e Qualidade Industrial da Paraíba (Imeq-PB) realizaram, nesta quinta-feira (10), uma operação para verificar a existência de irregularidade nos táxis que circulam em João Pessoa. Em pontos estratégicos, como o Terminal Rodoviário e a Lagoa do Parque Solon de Lucena, a ação teve como alvos principais o funcionamento dos taxímetros, o certificado e as condições de segurança dos veículos.

De acordo com o diretor-superintendente do Imeq, Arthur Galdino, as principais irregularidades que as operações têm constatado são as que causam prejuízo ao consumidor, como alteração no aro e no diâmetro do pneu após os taxistas terem recebido a certificação do órgão. “Se um veículo foi certificado com aro 17, por exemplo, e, após essa certificação, o taxista mudar para um aro 13, significa que vai rodar mais, fazendo com que o taxímetro cobre um preço abusivo ao consumidor”, explicou.

Ainda de acordo com Arthur Galdino, esse tipo de fraude gera um prejuízo para o consumidor em cerca de 20% na corrida. “Uma corrida que daria em torno de R$ 25, por exemplo, iria para R$ 30”, explicou, adiantando que “para combater esse tipo de conduta, as nossas equipes têm realizado operações constantemente, com o objetivo de proteger o consumidor”.

Os taxímetros devem ter o certificado do Instituto de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro), além de estarem em local visível para o consumidor e em condições de funcionamento adequadas. Além disso, as condições do veículo também devem oferecer segurança aos passageiros, a exemplo de pneus em bom estado de uso.

Jorge Nogueira trabalha como taxista há oito anos. Ele destacou que ações como a do Imeq são importantes para constatar a responsabilidade da categoria no transporte de passageiros. “Considero uma ação muito importante, já que vai mostrar que estamos trabalhando de acordo com a lei, respeitando os nossos clientes em um momento até de concorrência desleal”, afirmou.

Nesta sexta-feira (11), será divulgado o resultado da operação, que ocorreu até o fim do dia. Apenas no Terminal Rodoviário, seis veículos terão de comparecer ao Imeq, já que os taxistas não estavam com a documentação do veículo. “Nós realizamos toda a inspeção técnica para comprovar se os dados batem com a certificação. Caso o taxista não esteja com essa certificação, terá de nos apresentar no dia seguinte, não podendo escapar da fiscalização, tão importante para o consumidor”, completou Arthur Galdino.

As multas aplicadas pelo Imeq variam de R$ 150 a R$ 1,5 milhão, dependendo da irregularidade. “Para isso, uma série de fatores é levada em consideração, como reincidência, tipo de irregularidade. Há, ainda, um prazo de 20 dias para apresentação de defesa ao nosso departamento jurídico”, explicou o diretor-superintendente do órgão.

Secom

Recomendado para você pelo google

VÍDEO

Secretária de Cajazeiras revela que lixão começou a funcionar irregular na cidade e falou de ação no MPF

JÁ GANHOU NOVE MEDALHAS

VÍDEO: Garotinho campeão de karatê vende trufas em Cajazeiras para participar do Mundial em Fortaleza

COBRANÇA

VÍDEO: Radialista diz que oposição deixa o prefeito de Sousa ‘à vontade para cometer irregularidades’

EVANGÉLICO DE OPOSIÇÃO

VÍDEO: Pastor de Cajazeiras diz que Bolsonaro está destruindo o país e não levou facada: “Foi uma farsa”