header top bar

section content

Polícia prende dois suspeitos de tráfico no bairro de Jaguaribe, na Capital

Os dois seriam os responsáveis por exercerem a função da venda das drogas no varejo, função chamada de 'vapor' no mundo do tráfico.

Por Priscila Belmont

03/11/2017 às 09h40

Os presos na ação foram apresentados na Central da Polícia Civil, no bairro do Geisel, em João Pessoa.

A Polícia Militar prendeu mais dois suspeitos de atuar no tráfico de drogas da comunidade Paulo Afonso, no bairro de Jaguaribe, em João Pessoa, durante uma ação realizada pela Força Tática do 1º Batalhão, na noite da última quinta-feira (2). Os suspeitos, de 19 e 21 anos, foram presos com 153 papelotes de maconha prontos para a venda e ainda um revólver calibre 32.

A dupla tentou fugir quando percebeu a entrada das viaturas na comunidade, jogou um saco com as drogas e dinheiro trocado e foi em direção a uma área de vegetação que cerca a localidade, mas os dois foram perseguidos e presos em flagrante. Na casa de um dos suspeitos, a PM encontrou o revólver.

Os dois seriam os responsáveis por exercerem a função da venda das drogas no varejo, função chamada de ‘vapor’ no mundo do tráfico. No mês passado, a PM prendeu na mesma comunidade um homem de 29 anos, suspeito de ser um dos líderes do tráfico local e que já tinha passagens pela polícia também por formação de quadrilha, porte ilegal de arma, envolvimento com explosões a bancos e arrombamentos de lojas de departamentos.

Os presos na ação foram apresentados na Central da Polícia Civil, no bairro do Geisel, em João Pessoa.

Secom PB

Recomendado para você pelo google

COBRA REAJUSTE DE 2018

VÍDEO: Sindicalista elogia Zé Aldemir por salário de professores, mas diz que felicidade é ‘entre aspas’

ANALISAR MELHOR FORMA

Presidente da OAB Nacional diz que irá discutir modelo legal para a questão do armamento no Brasil

PARTICIPE!

Retiro de Carnaval de Pombal recebe adesão de fiéis para a execução do maior evento religioso da cidade

SANTA MARIA

VÍDEO: Faculdade de Cajazeiras é contraponto a injustiças sociais e falta de ‘gentilezas’, diz diretora