header top bar

string(13) "diario-sertao"

section content

EXCLUSIVO: Assista vídeo do acidente que matou enfermeira que trabalhava no SAMU e no Hospital Regional de Sousa na BR 230.

Flávia não resistiu à gravidade dos ferimentos e morreu no local. O condutor do outro carro ficou preso às ferragens. Veja aqui

Por

03/02/2015 às 09h54

 

Um grave acidente foi registrado na manhã desta terça-feira (03) na BR 230, entre as cidades de Pombal e Aparecida, próximo ao contorno que dá acesso ao município de São Domingos de Pombal. Uma pessoa morreu e outra ficou gravemente ferida.

De acordo com informações de testemunhas, a enfermeira, Flávia Fernandes, de 32 anos, trabalhava no Samu de Pombal e tinha acabado de sair do serviço e seguia com destino a cidade de Sousa, quando aconteceu a colisão frontal contra outro carro que trafegava no sentido contrário.

Flávia não resistiu à gravidade dos ferimentos e morreu no local. O condutor do outro carro, Carlos Alberto Lima Sarmento, de 30 anos, ficou preso às ferragens, mas foi socorrido pelos bombeiros e Samu até o Hospital Regional de Sousa, onde permanece internado.

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) foi acionada e está investigando as causas do acidente e identificar qual dos carros invadiu a faixa contrária.

Flávia, além de trabalhar no Samu de Pombal, também era funcionária do Hospital Regional de Sousa (HRS). O corpo da enfermeira foi levado para o Instituto de Medicina Legal (IML) de Patos, para realização do exame cadavérico.

Assista reportagem da TV Diário do Sertão em instantes!

DIÁRIO DO SERTÃO
Fotos: Aparecida1

Tags:
BLACK FIADO

VÍDEO: Conheça a versão mais popular da Black Friday que agita o comércio de Cajazeiras durante 30 dias

DESTAQUES DA SEMANA

VÍDEO: Repercussão da entrevista de José Aldemir encabeça as polêmicas do Direto ao Ponto desta terça

PROGRAMA DE MÚSICA

VÍDEO: Confira as novidades que vêm aí na nova temporada do Acústico Diário com cantor cajazeirense

VÍDEO

Secretário responde a sindicato e diz que acusações contra prefeito de Cajazeiras podem parar na Justiça