header top bar

section content

Comissão localiza Inquérito final do atentado a vida de Bispo de CZ; Acusados podem ser identificados

Uma professora está lendo o documento e depois fará um relatório para ser apresentado publicamente e à Polícia Federal. Confira!

Por

07/06/2014 às 19h00

O mistério da bomba do Apolo XI pode ser desvendado e a população fiar sabendo o que aconteceu

Um dos maiores mistérios dos anos negros da ditadura militar na Paraíba pode, finalmente, ser revelado. A Comissão da Verdade da Paraíba acaba de localizar o relatório final do inquérito que investigou a explosão de uma bomba-relógio nas dependências do Cine Apolo XI, em Cajazeiras, em 1975.

O relatório foi encontrado no Arquivo Nacional, do Ministério da Justiça, em Brasília, há cerca de 10 dias, pelo representante do governo do Estado na Comissão da Verdade da Paraíba, advogado Waldir Porfírio. A investigação sobre o atentado à bomba em Cajazeiras é uma das prioridades da comissão criada pelo governador Ricardo Coutinho para esclarecer episódios do período da ditadura militar.

O material recolhido no Arquivo Nacional está com a professora Irene Marinheiro, coordenadora do grupo de trabalho encarregado de elucidar o caso da Bomba do Apolo XI. A informação é de que ela está lendo o documento e depois fará um relatório para ser apresentado publicamente.

O advogado Waldir Porfírio, que trouxe a documentação de Brasília, disse que não conhece o conteúdo do relatório, já que apenas o recolheu do Arquivo Nacional, e que a tarefa de estudar tudo sobre o tema é da professora Irene Marinheiro.

A localização do inquérito da bomba do Apolo XI, no entanto, é um avanço, uma vez que até agora diversos pesquisadores haviam tentado desvendar o assunto e não encontravam os documentos referentes à investigação da Polícia Federal.

O arquivo Nacional, em Brasília, reúne documentos históricos desde o Império. Por determinação do Ministério da Justiça, o órgão está reunindo e digitalizando os documentos do período da ditadura militar para colocar à disposição da Comissão Nacional da Verdade e das comissões estaduais.

Sobre a bomba
O atentado aconteceu no dia 2 de julho de 1975, na plenitude do regime militar. O Cine-Teatro Apolo XI exibia o filme “Sublime Renúncia”. Relata-se que a película teria se partido em diversas oportunidades, tendo acabado a exibição antes do horário previsto. Por isso, quando a bomba-relógio explodiu o cinema estava quase vazio.

A bomba estava em uma pasta 007 encontrada, debaixo da cadeira onde o bispo, Dom Zacarias Rolim de Moura, costumava sentar. Ele era fanático por cinema e não perdia uma sessão. Mas, naquele dia, tinha viajado à tarde para Recife.

A bomba que explodiu no cinema matou duas pessoas e deixou outras duas feridas.

Logo após o atentado, suspeitou-se do advogado João Bosco Braga Barreto, que era o principal político de oposição à época, e tentou-se responsabilizar os movimentos de esquerda que atuavam no Estado, entre outras linhas de investigação. A Polícia Federal (PF), no entanto, nunca deu divulgação ao resultados das investigações.

Entenda
O atentado terrorista que ocorreu há 35 anos na cidade de Cajazeiras foi destaque mais uma vez da edição desse domingo (24), do Jornal do Comércio de Recife.

Em sua série ‘Memória Política’ , a matéria comenta acerca de mistério que a cidade sertaneja viveu em 2 de julho de 1975: a bomba do Apolo 11, um atentado que vitimou dois, mutilou outros e destruiu o Cine Teatro Apolo XI. O alvo, dom Zacarias Rolim de Moura, bispo conservador da Diocese de Cajazeiras, escapou porque tinha viajado a Recife. Até hoje, porém, não foi descoberto o autor do atentado.

A reportagem aborda que, na pacata cidade do Sertão da Paraíba, a população foi sacudida por uma explosão sentida até fora da cidade. Às 21h, com as ruas desertas, a cidade havia começado a adormecer. Os moradores do centro correm para o local do impacto: o Cine-Teatro Apolo 11, fundado pelo bispo Dom Zacarias Rolim de Moura, à época com 60 anos, um fanático por cinema e frequentador assíduo das sessões.

De acordo com a publicação do Jornal do Comércio, o cenário era incomum e desolador para Cajazeiras: as poltronas destroçadas e quatro homens jogados ao chão. O soldado Altino Soares, o Didi, 43, com as pernas amputadas. O ex-recruta do Tiro de Guerra, Manuel Conrado (Manuelzinho), 19, com uma lasca de madeira na cabeça, o seu irmão e operador de projetor Geraldo Conrado, 31, com a perna direita partida e o corpo perfurados por fragmentos, e o adolescente Geraldo Galvão, 16, do abdômen para baixo perfurado e as pernas queimadas.

Levados para João Pessoa, Manuelzinho morreria dois dias depois e o soldado Didi, da PM-CE, nove dias depois. Dom Zacarias escapou. Naquela tarde, havia embarcado em um ônibus com destino ao Recife, onde – além das atividades pastorais – ia às distribuidoras alugar filmes para os cinemas da Diocese de Cajazeiras. O saldo do atentado não foi maior devido ao imponderável de uma fita de má qualidade, que partiu várias vezes, encurtando a sessão em 15 minutos, e ao enredo do filme, um drama que não agradou à platéia admiradora de faroestes e filmes de aventura.

Conforme a reportagem, a cadeira cativa de Dom Zacarias Rolim de Moura estava vazia, mas debaixo dela havia uma pasta modelo 007. Na varredura final do auditório, antes do fechamento do cinema, Geraldo Galvão encontra e entrega ao soldado Didi a pasta abandonada. Na curiosidade, ao abrir para saber de quem era, Didi puxa de dentro algo que imagina ser um gravador. A poucos metros, Manuelzinho grita: “não mexe, é uma bomba”. No susto, Didi soltou a bolsa no chão.

Na publicação trazida pelo Jornal do Comércio é enfatizado também que a bomba detonada em Cajazeiras, foi o primeiro de uma série de episódios ocorridos ao longo dos governos dos generais Ernesto Geisel e João Baptista Figueiredo. Ao assumir, em 15 de março de 1974, Geisel anuncia o processo de abertura política “lenta, gradual e segura”. Escolhido por Geisel, Figueiredo assume, em 1979, com a missão de dar continuidade à distensão e devolver o poder aos civis.

DIÁRIO DO SERTÃO com Gazeta do Alto Piranhas

Tags:

Recomendado para você pelo google

VÍDEO

Empresário revela convite das oposições de Cajazeiras para disputar a prefeitura e derrotar Zé Aldemir

EVENTO CATÓLICO

VÍDEO: I Adora Cristo é sucesso em Cajazeiras, e coordenador da Missão Éfeso acredita em crescimento

SAÚDE BUCAL

VÍDEO: ortodontista sousense revela se é possível rejeição em casos de implantes dentários

SEGURO DE TRÂNSITO

VÍDEO: Para chefe do Detran de Cajazeiras, fim do DPVAT é retrocesso: “Se tem falhas, tem que corrigir”