header top bar

section content

Empresa de ônibus de Cajazeiras se defende de denúncia de vereador sobre vagas para idosos

Segundo o parlamentar, idosos estariam sendo barrados no transporte coletivo da Viação Dois Irmãos por falta de cadeiras reservadas

Por Jocivan Pinheiro

29/03/2016 às 00h20 • atualizado em 29/03/2016 às 00h23

Ônibus da empresa Viação Dois Irmãos

A empresa Viação Dois Irmãos, escolhida através de licitação pela Prefeitura de Cajazeiras para fazer o serviço de transporte coletivo da cidade, emitiu uma nota de esclarecimento em que se defende da denúncia levada à tribuna da Câmara Municipal pelo vereador Ivanildo Dunga (PMN) acerca das vagas reservadas aos idosos em seus micro-ônibus.

Segundo o parlamentar, idosos estariam sendo barrados no transporte por falta de cadeiras reservadas. Outro vereador acrescentou que nos ônibus que fazem linha para a zona norte as vagas destinadas aos idosos foram reduzidas para três (ASSISTA AQUI).

Em nota, a empresa negou que esteja havendo descumprimento do art. 3º da lei 2.116/2013, aprovada pela Câmara, que estabelece a reserva de assentos aos idosos.

Ela explica que são mesmo três vagas apenas (por viagem) reservadas para os idosos, pois, segundo a lei, a empresa deve reservar 10% dos assentos, o que representa três cadeiras das 25 em cada micro-ônibus.

A Viação Dois Irmãos alegou ainda que não têm condições financeiras de reservar um micro-ônibus exclusivamente só para idosos devido às despesas com o serviço.

VEJA A NOTA

Nota de esclarecimento - Viação Dois Irmãos

Nota de esclarecimento - Viação Dois Irmãos

.

DIÁRIO DO SERTÃO

MUITO ESTRAGO

VÍDEOS: Chuva com vendaval causa destruição de prédios em Cajazeiras e Sousa e assusta moradores

DE 22 A 27 DE JANEIRO

VÍDEO: Teatro Ica completa 34 anos em Cajazeiras com extensa e diversificada programação cultural

DE 2017 PARA ESTE ANO

VÍDEO: São José de Piranhas tem aumento alarmante de homicídios em 2018; confira balanço da PM na região

VIXE!

VÍDEO: Vidente detalha futuro da imprensa de Cajazeiras e prevê mortes: “Não chega às festas juninas”