header top bar

section content

Fotógrafo Sousense participa de importante Festival internacional de Cinema na França

O filme foi selecionado entre mais de cinco mil produções inscritas de várias partes do mundo

Por Campelo - Diário do Sertão em Sousa

18/05/2016 às 15h53 • atualizado em 18/05/2016 às 17h24

Saullo Dannylck fez parte da equipe do filme do diretor João Paulo Miranda, do curta "A moça que dançou com o diabo"

A cidade de Sousa está representada no mais importante Festival de Cinema do mundo. O fotógrafo sousense Saullo Dannylck fez parte da equipe do filme do diretor João Paulo Miranda, do curta “A moça que dançou com o diabo”. Único curta brasileiro selecionado para a disputa da Palma de Ouro, prêmio máximo do Festival de Cinema de Cannes na França em sua 69° edição.

O filme foi selecionado entre mais de cinco mil produções inscritas de várias partes do mundo. Produzido pelo Grupo Kino-olho de Rio Claro(SP), tendo a Taquary Filmes(PE) como co-produtora.

O único filme brasileiro a vencer a Palma de Ouro foi “O pagador de promessas”, em 1962, do diretor Anselmo Duarte. Além desse, o Brasil ganhou os prêmios de melhor diretor com Glauber Rocha, em 1968, por “O dragão da maldade e o santo guerreiro”, e os prêmios de melhor atriz com Fernanda Torres, em em 1986, por “Eu sei que vou te amar”, e com Sandra Corveloni, em 2008, com “Linha de passe”.

Este ano o cinema brasileiro mostra sua força e concorre também na categoria de longa metragem com o filme “Aquarius” do diretor pernambucano Kleber Mendonça, este conta com a atriz Sônia Braga no papel principal.

DIÁRIO DO SERTÃO

MUITO ESTRAGO

VÍDEOS: Chuva com vendaval causa destruição de prédios em Cajazeiras e Sousa e assusta moradores

DE 22 A 27 DE JANEIRO

VÍDEO: Teatro Ica completa 34 anos em Cajazeiras com extensa e diversificada programação cultural

DE 2017 PARA ESTE ANO

VÍDEO: São José de Piranhas tem aumento alarmante de homicídios em 2018; confira balanço da PM na região

VIXE!

VÍDEO: Vidente detalha futuro da imprensa de Cajazeiras e prevê mortes: “Não chega às festas juninas”