header top bar

section content

Mães guerreiras de Cajazeiras revelam desafios da maternidade e contam com orgulho trajetórias de sucessos dos seus filhos. CONFIRA VÍDEO!

A TV Diário do Sertão entrevistou duas guerreiras da cidade de Cajazeiras

Por Campelo - Diário do Sertão em Sousa

12/05/2017 às 17h55 • atualizado em 12/05/2017 às 18h25

O dia das mães é comemorado do Brasil no segundo domingo de Maio. Essa data comemorativa em que se homenageiam as mãe e a maternidade, é uma das épocas do ano em que o comercio tem maiores lucros com presentes para essas heroínas de todos os dias.

A equipe da TV Diário do Sertão, entrevistou nesta sexta-feira (12) duas mães batalhadoras da cidade de Cajazeiras, no Sertão do estado, onde elas relatam a experiencia de ser mãe, seus desafios e desejos alcançados nessa nobre missão.

Dona Kininha e Dona Marlene

Emocionadas, Joaquina Rolim (Dona Kininha), que é mãe d o jovem médico Josival Júnior e Cícero Neto (engenheiro), e Marlene Santos que é mãe dos diretores do Diário do Sertão Pollyana e Petson, e de Pablo Santos, falaram do amor aos filhos e a missão em que Deus as confiou aqui na terra.

“Meus filhos são a continuação da minha vida. Consegui formar meus dois filhos. Criei eles sozinha, mas sou muita grata a Deus. Estou irradiante” disse Dona Kininha, que aproveitou para deixar um recada às mães: “Amem seus filhos, mas amar é também punir, para que eles cresçam sabendo o certo e o errado”.

Já Dona Marlene foi enfática e disse que essa é uma data a ser comemorada: “O dia das mãe é pra ser lembrado todos os dias.”

DIÁRIO DO SERTÃO

Recomendado para você pelo google

COBRA REAJUSTE DE 2018

VÍDEO: Sindicalista elogia Zé Aldemir por salário de professores, mas diz que felicidade é ‘entre aspas’

ANALISAR MELHOR FORMA

Presidente da OAB Nacional diz que irá discutir modelo legal para a questão do armamento no Brasil

PARTICIPE!

Retiro de Carnaval de Pombal recebe adesão de fiéis para a execução do maior evento religioso da cidade

SANTA MARIA

VÍDEO: Faculdade de Cajazeiras é contraponto a injustiças sociais e falta de ‘gentilezas’, diz diretora