header top bar

section content

VÍDEO: Açudes quase secos e obras da transposição paralisadas deixam sertanejos desanimados

A obra da adutora orçada em mais de R$ 16 milhões para preparação dos açudes para receber as águas do São Francisco não tem andamento.

Por Luzia de Sousa

15/11/2017 às 12h27

O complexo de água Coremas-Mãe D´Água, no Sertão da Paraíba, com capacidade para acumular mais de 1 milhão de metros cúbicos está em situação crítica e apresenta pior volume da história.

Atualmente Coremas está com 5,41% e Mãe D´Água pouco mais de 4% da capacidade total. A esperança da população é a conclusão da transposição do Rio São Francisco pelo Eixo Norte, mas segundo moradores, os serviços estão muito lentos e até paralisados em alguns trechos.

O pescador Joaquim Mateus revelou que largou a profissão devido os longos cinco anos de estiagem.

A obra da adutora orçada em mais de R$ 16 milhões para preparação dos açudes para receber as águas do São Francisco não tem andamento. “Lento demais e até parar já parou uns dias aí”, revelou o aposentado Antonio Martins.

A obra que deveria durar um ano e quatro para beneficiar mais de 70 mil moradores, de nove município foi inciada em maio deste ano.

O Dnocs, responsável pela obra confirmou a paralisação da obra e explicou que licença para construção de uma ponte teria deixado a empresa impossibilitada de dar continuidade aos serviços por alguns dias, porém, a população disse que a paralisação foi devida a falta de material. Durante a reportagem, muitas máquinas estavam paradas.

DIÁRIO DO SERTÃO com vídeo do G1

Tags:

Recomendado para você pelo google

COBRA REAJUSTE DE 2018

VÍDEO: Sindicalista elogia Zé Aldemir por salário de professores, mas diz que felicidade é ‘entre aspas’

ANALISAR MELHOR FORMA

Presidente da OAB Nacional diz que irá discutir modelo legal para a questão do armamento no Brasil

PARTICIPE!

Retiro de Carnaval de Pombal recebe adesão de fiéis para a execução do maior evento religioso da cidade

SANTA MARIA

VÍDEO: Faculdade de Cajazeiras é contraponto a injustiças sociais e falta de ‘gentilezas’, diz diretora