header top bar

section content

Pescador cria peixes de 60 kg no Sertão após seca afetar maior açude da Paraíba

Salomão começou a criar peixes e colocá-los em reprodução após a seca nos últimos anos

Por G1

02/04/2018 às 07h48

Peixe pirarucu com 62 quilos, em Coremas, na Paraíba (Foto: Salomão Abílio/Arquivo pessoal)

Salomão Abílio tem 31 anos de idade e pelo menos vinte de pescador. Após a seca nos últimos anos que causou a redução no volume do açude de Coremas, na Paraíba, adotou uma nova forma de sustento de vida, já que a pescaria já não estava dando renda suficiente. Começou a criar peixes em tanques e reservatórios, colocá-los em reprodução e vender os alevinos, que são os peixes recém saídos do ovo. Hoje ele tem, pelo menos, seis peixes da espécie pirarucu, alguns atingindo até 62 quilos.

O açude de Coremas é o maior da Paraíba, mas está atualmente com apenas 9,7% da sua capacidade total, segundo dados da Agência Executiva de Gestão das Águas (Aesa). O estado tem ainda 46 reservatórios monitorados pela Aesa – dos 127 que compõem o monitoramento – em situação crítica, com volume inferior a 5% da capacidade.

Segundo o biólogo Tarcísio Cordeiro, o pirarucu é incomum na Paraíba. A espécie é natural da Amazônia e foi introduzida no estado. Por ser um peixe de grandes dimensões, o comprimento quando adulto costuma variar de dois a três metros, e o peso pode chegar até 200 quilos.

É o que pretende Salomão. As espécies chegaram nas suas propriedades na zona rural de Coremas com, aproximadamente, 500 gramas. Foram colocadas em tanques e reservatórios, com o objetivo de crescer e atingir o peso ideal para a reprodução.

Segundo o pescador, o açude de Coremas não oferece mais a possibilidade da pesca. “Com a degradação da barragem, passamos a criar os peixes”, disse Salomão. Eles são vendidos em mais de vinte cidades da Paraíba e repassados até para outros estados.

Além de pirarucu, Salomão também cria Surubim, em Coremas (Foto: Salomão Abílio/Arquivo pessoal)

São seis peixes que variam de 62 a 40 quilos. No entanto, esse não é o máximo que ainda podem atingir. O objetivo de Salomão é que eles cheguem na Semana Santa de 2019 com, pelo menos, 100 quilos. “Quero fazer o cruzamento natural e revender”, explicou. Essa será a primeira reprodução dos pirarucus.

Além dos pirarucus, Salomão também cria em reservatórios outros peixes, como pangasyus, tambatinga e surubim. Para levantar os mais pesados, é preciso de ajuda. No último domingo (25), a transferência do pirarucu de 62 quilos de um tanque para o outro foi motivo de atração na propriedade rural de Salomão.

G1

Fonte: G1 - https://g1.globo.com/pb/paraiba/noticia/pescador-cria-peixes-de-60-kg-no-sertao-apos-seca-afetar-maior-acude-da-pb.ghtml

Tags:
YOUTUBER DE CAJAZEIRAS

VÍDEO: Léo Abreu revela em quais profissões podemos encontrar psicopatas

ESPERANÇA NA POLÍTICA!

VÍDEO: Pastor evangélico fala sobre Bolsonaro: “Ele incorporou o que a sociedade acredita: a família”

ASSISTA!

Arquitetura, urbanismo e direitos humanos marcaram último episódio da temporada do Coisas de Cajazeiras

VÍDEO

Comemorando o dia dos Direitos Humanos, professor fala sobre os avanços da data no Diversidade em Foco