header top bar

section content

Universitária cajazeirense será sepultada nesta sexta-feira; amigos prestam homenagens nas redes sociais

Familiares não informaram a causa da morte da cajazeirense.

Por Campelo - Diário do Sertão em Sousa

11/05/2018 às 10h19 • atualizado em 11/05/2018 às 10h21

Dayanne Braga (Foto: Reprodução / Arquivo Pessoal)

A universitária cajazeirense Dayanne Braga, morreu nesta quinta-feira (10) na UTI do Hospital Regional de Cajazeiras.

Dayanne havia tido um coágulo em vaso sanguíneo de uma das pernas, o que é mais conhecido como trombo, passou mal e foi internada no hospital, seu estado de saúde se agravou, ela foi internada na UTI, porém, horas depois acabou falecendo vitima de embolia pulmonar, em decorrência do trombo.

Nas redes sociais, amigos e familiares lamentaram a morte da universitária que cursava Serviço Social em uma faculdade particular de Cajazeiras.

O velório está acontecendo na central de velório em frente ao Hospital Regional e o sepultamento será nesta sexta-feira (11) às 16h no Cemitério Nossa Senhora Aparecida.

O QUE É TROMBO?

São coágulos (trombos) que podem obstruir a circulação do sangue no organismo, e que muitas vezes é fatal. A formação de trombos no interior das veias profundas, em geral nas pernas, pode causar uma doença grave chamada trombose venosa profunda (TVP). Seus sintomas incluem edema (inchaço), dor, rubor (vermelhidão) e calor no local em que se forma o trombo.

A principal complicação da TVP é a embolia pulmonar, que ocorre quando um coágulo ou parte dele se desprende e é liberado na corrente sanguínea, alojando-se nos pulmões.

DIÁRIO DO SERTÃO

DEPENOU O GALO

VEJA OS GOLS: Atlético de Cajazeiras vence o Treze de Campina e assume a liderança isolada do Paraibano

NA TELA DA TV DIÁRIO

Diário Esportivo traz tudo sobre a 2ª rodada do Paraibano; Tático narra gol da vitória do Atlético

SE CUIDE!

VÍDEO: No Janeiro Branco, Diversidade em Foco promove uma ‘Conversa sobre suicídio e como evitá-lo?’

RECONHECIMENTO

Prefeito de Sousa garante ajuda mensal ao médico cubano: “Eu irei ajudá-lo em todos os momentos”