header top bar

section content

Tristeza! Cordelista “Raimundo Santa Helena” morre aos 92 anos

O poeta possui uma significativa variedade temática em sua obra poética

Por Tais Paranhos

03/11/2018 às 17h51 • atualizado em 03/11/2018 às 19h30

Raimundo tinha 92 anos (foto: arquivo familiar)

Morreu neste sábado (03) no Rio de Janeiro, o poeta popular Raimundo Luiz do Nascimento, mais conhecido como “Raimundo Santa Helena ou apenas Santa Helena”. Ele, nasceu em 06 de abril de 1926, “em um trole rodando à vara”. Auto-intitula-se “Paraibense”, pois sempre diz que “sua cabeça nasceu na Paraíba e o restante do corpo nasceu no Ceará”.

Sertanejo
O cordelista Raimundo Santa Helena era filho do Delegado Raimundo Luiz, que segundo a História foi assassinado por Lampião. E o poeta atuou por muitos anos na Feira de São Cristóvão no Rio de Janeiro. Inclusive temos muitos cordéis dele em nossa biblioteca que tem o nome de seu pai. O poeta veio a Santa Helena na década de 90 paraninfar uma turma de 3° ano pedagógico da Escola Municipal Padre José de Anchieta, a convite da turma, orientados pela professora Rosangela Tavares Dantas de Souza.

A maior parte de seus folhetos traz trechos autobiográficos, reforçando a construção de uma imagem de si constituída através de uma trajetória de vida bastante peculiar, que tem como ponto de partida a morte de seu pai pelo cangaceiro Lampião, durante uma invasão do bando no sertão de Cajazeiras, na Paraíba, em 9 de junho de 1927.

Em função deste fatídico dia, Santa Helena, aos 11 anos, fugiu de casa com um canivete na mão para vingar a morte do pai. Foi parar em Fortaleza e, acolhido por uma professora, estudou, trabalhou e acabou entrando para a Escola de Aprendizes de Marinheiros do Ceará. Na Marinha, participou da Segunda Guerra e estudou nos Estados Unidos, o que o ajudou na composição de cordéis bilíngues, como o “Brazilian Amazônia”, publicado na ocasião da ECO-92.

Seu primeiro cordel foi declamado a bordo do navio “Bracuí”, em 1945, após o anúncio do final da segunda grande guerra. Em 1984, lançou o folheto Mãos à obra nas escolas, cuja tiragem de 500 mil exemplares foi distribuída em diversas escolas. Dentre os seus folhetos mais importantes, destacamos ainda os cordéis Malvinas, Guerra de Canudos, Massacre dos Ianomâmis, Cruzado Furado, Desastre aéreo na TV, Nicarágua em dez línguas e o cordel para crianças O menino que viajou num cometa. Dentre os últimos lançamentos publicados, destacamos os cordéis intitulados Rio-2012 – Olimpíada, Transplantes e Passageiros da paz, lançados ao vivo pela TVE e em pleno ar num avião sobre o oceano Atlântico.

O poeta possui uma significativa variedade temática em sua obra poética, que vai desde o cangaço, passando por biografias de pessoas importantes – como as dos ex-presidentes Tancredo Neves e Getúlio Vargas – a temas ligados à educação sexual e à saúde de um modo geral. No entanto, a sua predileção temática e mais recorrente está relacionada à informação divulgada pela mídia, seja impressa, radiofônica ou televisiva.

Para se manter atualizado e garantir a credibilidade das informações que costuma divulgar, o poeta acessa pelo menos três notícias publicadas em meios diferentes; seleciona as que coincidem, a fim de garantir a ‘veracidade dos fatos’; e constrói o poema, imprimindo sempre a sua opinião pessoal acerca do acontecimento midiático selecionado. Para elaborar seus “cordéis midiatizados”, o poeta utiliza colagens a partir de matérias de jornais, fotos e documentos pessoais, ocupando todo o espaço em branco de seus folhetos, garantindo, assim, uma boa dose de originalidade em sua produção.

Referências bibliográficas
▪ SANTA HELENA, Raimundo. Plataforma de um poeta de cordel imortável. Folheto 261, Rio de Janeiro, 25/07/1988.
▪ Seleção feita por Braulio Tavares no livro: SANTA HELENA, Raimundo. Introdução e seleção feita por Braulio Tavares. São Paulo: Hedra, 2003. Biblioteca de cordel.
▪ SANTA HELENA, Raimundo. O menino que viajou num cometa. Rio de Janeiro: Entrelinhas, 2003.
▪ SANTA HELENA, Raimundo. Um marinheiro na esquina do mundo – de grumete a tenente. (Em fase de elaboração).

Fonte: Tais Paranhos - https://taisparanhos.blogspot.com/2018/10/morre-cordelista-raimundo-santa-helena.html?m=1

Recomendado para você pelo google

FÉ NO SANTO

VÍDEO: No dia de São José, católicos agradecem pelas chuvas na região de Cajazeiras; previsão é otimista

DIAS 30 E 31 DE MARÇO

VÍDEO: Comédia “Escolinha Profana”, dos criadores do “Pastoril Profano”, se apresentará em Cajazeiras

ÚLTIMOS PROCEDIMENTOS

VÍDEO: Cemitério da Zona Norte de Cajazeiras deverá ser construído ainda neste ano, afirma secretária

DE OLHO NO TURISMO

VÍDEO: Prefeito de Monte Horebe revela que está planejando festival de inverno com uma semana de eventos