header top bar

section content

Empresário de Cajazeiras defende mensalidade em universidades públicas para quem tem condição

"Eu acho que as universidades federais elas têm que ser destinadas ao conjunto da população, mas aqueles que podem pagar, devem então pagar”.

Por Luzia de Sousa

09/11/2018 às 08h43 • atualizado em 09/11/2018 às 12h38

O empresário cajazeirense e professor universitário Rubismar Galvão, em entrevista à TV Diário do Sertão esta semana avaliou como “extremamente positivo para o mercado”, o governo do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL).

De acordo com o empresário, a subida da bolsa de valores e a queda do dólar têm sido sinalizações de que investidores estão acreditando nas propostas do eleito, inclusive de reformas como da Previdência.

Rubismar defendeu cortes dos privilégios de todos os poderes e afirmou que a pior dívida do país hoje é a interna.

Educação
Ele disse que Bolsonaro fez declarações durante a campanha que não tem sentido e citou o ensino à distância para o Ensino Fundamental. “Depois ele volta atrás”.

Rubismar afirmou que concorda com a proposta do presidente eleito no que diz respeito a cobrança de mensalidade no ensino superior público para quem pode pagar.

Rubismar Galvão prestou entrevista à TV Diário do Sertão

“Acho correto. Eu acho que as universidades federais elas têm que ser destinadas ao conjunto da população, mas aqueles que efetivamente podem pagar, devem então pagar”, defendeu o empresário que completou: “Agora quem não pode, o Estado tem que dar comida, moradia, ensino gratuito e até bolsa dentro da universidade”.

DIÁRIO DO SERTÃO

Recomendado para você pelo google

ALUNOS DÃO SHOW

VÍDEO: 3º dia da Mostra de Conhecimentos destaca a natureza, tecnologias, leitura, teatro e matemática

DIRETO AO PONTO

VÍDEO: advogado sousense fala sobre a redução da maioridade penal. Você é contra ou a favor?

VÍDEO

Dra Paula fala sobre dificuldades na gestão do seu esposo em Cajazeiras e diz ser contra demissões

GOVERNO NO FOCO

VÍDEO: Professor comenta os impactos do fim do DPVAT, golpe na Bolívia e invasão à embaixada venezuelana