header top bar

section content

VÍDEO: Igualdade de direitos entre brancos e negros é mito, afirma ativista social de Cajazeiras

Maglandyo da Silva Santos fala sobre consciência negra e deixa mensagem de resistência à comunidade

Por Jocivan Pinheiro

21/11/2018 às 15h14 • atualizado em 21/11/2018 às 15h18

Ator, bailarino, monitor de creche e ativista social formado em Geografia pela UFCG de Cajazeiras, Maglandyo da Silva Santos é um dos milhões que representam a luta diária dos negros brasileiros para superar os obstáculos de uma sociedade racista.

Figura constante nas manifestações sociais de rua por melhores condições para a classe trabalhadora ou protestando contra governos opressores, Maglandyo está sempre pesquisando sobre a história dos negros no Brasil e no mundo, e muitas vezes transformando seu conhecimento em ação social e arte.

No Dia Nacional da Consciência Negra, ele contou um pouco da sua história e falou sobre essa data importante em uma reportagem especial da TV Diário do Sertão.

“Pensar a consciência negra é pensar que nós negros temos que ter consciência de quem somos, mas também que a pessoa não negra tem que respeitar nossa posição, nosso lugar e saber que ela tem privilégios que a gente, como negros, não tem. Então, pensar a consciência negra é pensar uma questão étnica mais ampla do que apenas o ‘eu negro’ que tem dificuldades para inserção na universidade, no mercado de trabalho como um todo”, afirma o jovem.

VEJA TAMBÉM:

+ Exposição, capoeira e religiões africanas marcam Dia da Consciência Negra na Câmara de Cajazeiras

Maglandyo da Silva Santos

Filho de um casal de vendedores de salgados – a mãe faleceu em 2016 de câncer -, Maglandyo faz questão de manter um largo e contagiante sorriso no rosto apesar das dificuldades.

“Os desafios são muitos porque a todo momento a gente tem que estar se provando, mostrando que tem que ser o melhor. As vitórias são muitas. A gente tem alguns avanços, mas também existe muito mito de uma igualdade, de que a gente teria os mesmos direitos que as demais populações e a gente não tem. Muitas coisas nos são negadas e às vezes ficam naquela: ah, vocês estão se vitimizando. Mas é muito mais do que isso”, ressalta.

“A gente tem que ser a resistência de dizer que não, que a sociedade vai ter que aceitar a gente como nós somos, de nos entendermos bonitos assim. Então, eu trago essa palavra de resistência, de valorização do nosso ser negro, da nossa beleza”, completa.

DIÁRIO DO SERTÃO

DIÁRIO ESPORTIVO

VÍDEO: Na TV, dirigentes do Atlético de Cajazeiras explicam contratações fechadas e outras que ‘melaram’

NOVAS CRÍTICAS

VÍDEO: Para líder católico de Cajazeiras, o Nordeste será “um recanto esquecido” por Bolsonaro

CLIMA DE EMOÇÃO

VÍDEO: Amigos e familiares destacam o legado de Dr. Toinho durante velório do advogado em Cajazeiras

ECONOMIA

VÍDEO: Com fila zerada, Bolsa Família injeta quase R$ 2 milhões por mês em Cajazeiras, diz coordenador