header top bar

section content

VÍDEO: Após transplante, empresário de Cajazeiras relata ‘via crúcis’ da hemodiálise e da fila de espera

Marcos de Sousa Alexandre, proprietário da rede de farmácias Santa Maria, passou por um transplante de rins e agora se recupera em casa, na cidade de Cajazeiras

Por Jocivan Pinheiro

08/08/2019 às 17h11

O empresário Marcos de Sousa Alexandre, proprietário da rede de farmácias Santa Maria, superou um dos maiores obstáculos da sua vida.

Recentemente ele passou por um transplante de rins bem-sucedido e agora se recupera em casa, na cidade de Cajazeiras.

Mas até conseguir o transplante, o empresário enfrentou quase dois anos de hemodiálise e espera na fila de doação. Em entrevista à TV Diário do Sertão ele contou detalhes dessa ‘via crúcis’.

Segundo Marcos, foram um ano e quatro meses de hemodiálise e um ano e dois meses na fira de espera de transplante em Fortaleza: “Não tinha muita perspectiva porque estava na posição 220”.

A falta de perspectiva começou a se transformar em otimismo quando Marcos trocou Fortaleza por Recife. Foi na capital pernambucana que ele conseguiu o transplante em apenas 14 dias.

“Da maneira que a gente fez esse transplante, posso dizer que Deus botou a mão porque a gente estava há um ano e dois meses em Fortaleza e não tinha muita perspectiva de quando ia ser feito. Quando mudei para Recife que em 12 dias fui chamado, só agradeci a Deus”, relata.

Marcos de Sousa Alexandre passou por transplante de rins bem-sucedido e agora se recupera em casa

Hereditário

O empresário conta que seu problema renal era hereditário, tanto que entre cinco irmãos, dois já foram transplantados e um está na fila de espera. Mas ele alerta que, se não for hereditário, as pessoas devem cuidar da saúde para não passarem pela traumática hemodiálise e transplante.

“Tem que ter cuidado para não chegar ao ponto de fazer hemodiálise e transplante. Só que no meu caso, meu problema era hereditário, eu não tinha o que fazer, eu ia passar por esse processo mais cedo ou mais tarde”, disse.

Hemodiálise em Cajazeiras

Marcos elogiou o atendimento na hemodiálise de Cajazeiras, que faz parte do complexo de saúde do Hospital Regional. Mas alertou que o tratamento é física e psicologicamente muito difícil. São quatro horas por dia, três dias por semana.

“A vida de quem faz hemodiálise é muito sofrida. Primeiro a gente tem que pedir a Deus para dar tudo certo, porque ali, queira ou não queira, a gente está passando risco numa máquina que está mexendo com seu sangue. Tem muita gente que se sente mal e o pessoal da diálise tem que agir para subir a pressão rápido, porque a pressão baixa para 4, 5. Minha pressão chegou a ficar 6/2. Eu já estava quase desmaiando”.

Redação DIÁRIO DO SERTÃO

Recomendado para você pelo google

DINHEIRO NO BOLSO

VÍDEO: Show e Prêmios Alô da Sorte realiza mais um sorteio mensal da rodada extra; Saiba quem ganhou

PROFESSORES CONTRATADOS

VÍDEO: Após pressão de vereador, prefeitura de Cajazeiras confirma pagamento de salários atrasados

VIOLÊNCIA SEM PARAR

VÍDEO: Jovem é morto com vários tiros e mulher fica ferida após ser vítima de bala perdida em Cajazeiras

TRAGÉDIA

VÍDEO: Comandante da PM lamenta morte de vereador e diz que assassinos são conhecidos no crime